Os quatro animais da profecia de Daniel

 


Terrível, espantoso e forte

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 085

Nos últimos programas estudamos os três primeiros animais da profecia de Daniel, capítulo sete. O profeta, ao mencionar o leão com asas de águia estava se referindo a Nabucodonosor, rei de Babilônia.  O urso representava a Medo Pérsia e o leopardo com quatro asas e quatro cabeças, representando Alexandre e o Império Grego.

Agora vamos conhecer o quarto animal. Daniel 7:7 – “Depois disto, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis que o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres”.

Os quatro animais representavam quatro reinos. Portanto, depois da Grécia, o império que mandou no mundo foi o romano. Os historiadores são unânimes em afirmar que essa transição foi muito lenta e é muito difícil encontrarmos uma data exata para queda dos gregos e a ascensão dos romanos.

“No ano 197 AC Roma derrotou a Macedônia e colocou os estados gregos sob sua proteção. Alguns anos mais tarde, em 190, derrotou o Antíoco III e tomou o território Selêucida. No ano 168 AC, na batalha de Pidna, Roma acabou com a monarquia da Macedônia, dividindo-a em quatro confederações. Já no ano 146 AC Roma anexou a Macedônia como província e colocou a maior parte das cidades gregas sob o governador da Macedônia.” (S.D.A.B.C., vol 5, p. 852).

Este seria um pequeno resumo de como caíram os gregos e como os romanos passaram a dominar o mundo. Não há uma data específica. Foi uma sucessão de eventos e vitórias. Por isso, a data mais aceita como o início da soberania romana é 168 AC.

Foi em 22 de junho de 168 AC, ao meio-dia, que aconteceu a batalha mais importante contra os macedônios (História Universal de G. AncKem, vol. IV, p. 858).

Daniel, quando viu o quarto animal, não pode compará-lo com algo conhecido. Descreveu-o como sendo terrível e espantoso. Além disso, ficou muito curioso para saber o que representava (Daniel 7:19).

E é assim que a Bíblia descreve o quarto reino. Forte e destruidor. Vamos ler Daniel 7:23?  “O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e pisará aos pés, e a fará em pedaços”.

Os historiadores contam que “Roma começou a se destacar de uma maneira muito rápida, até conquistar toda a península Itálica, parte da Europa, África e toda a Ásia civilizada, pondo fim aos restos do Império de Alexandre” (El Desenlace del drama Mundial, p. 154).

Vamos analisar agora algumas das características particulares desse quarto poder:

Primeira – “Terrível, espantoso e muito forte”.  A potencialidade, a força militar, política e econômica de Roma não havia sido manifestada por nenhum outro povo. O caráter terrível e espantoso revela-se nas conquistas. “A península itálica, Cartago, Macedônia, Síria, África, Espanha, Egito, Ásia Menor, Palestina, foram caindo uma após a outra para formar a imensa órbita política de Roma” (El Desenlace del drama Mundial, p. 154).

Segunda – “o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços”. Na visão profética, o quarto animal – ou quarto reino – agiria de forma violenta e terrível para com aqueles que eram conquistados. “Roma fazia guerra não para conquistar e nem por necessidade de expansão, mas por idiossincrasia e prazer. O templo de Jano em Roma, devia ficar aberto durante todo tempo que houvesse guerra e ele esteve aberto permanentemente durante cinco séculos, salvo uma só vez e por poucos anos” (El Desenlace del drama Mundial, p. 155).

Quando uma guerra era iniciada, os romanos saqueavam todo o país atacado. Os homens, mulheres e crianças eram vendidos como escravos e muitas vezes eram vítimas de castigos desumanos. Estabeleciam pesados tributos aos cativos. Os imperadores romanos eram implacáveis com seus inimigos.

Terceira característica do poder romano – “pisava aos pés o que sobejava”. Essa figura de linguagem mostra uma fera que, após dominar sua vítima e já ter se alimentado da mesma, pisa em cima do que sobrou, de forma sádica.

Quarta característica – “E tinha dez pontas/chifres” – Todos os que visitam Roma podem ver as ruínas do que foi esse grande império. Ninguém foi tão poderoso quanto eles. Os historiadores dizem que o sol não se punha no império romano. Ele abarcava desde a África, ao sul, até a Inglaterra, ao norte e desde a Pérsia ao leste e a Espanha ao oeste. Porém, não durou para sempre. Foi dividido em dez partes de onde surgiram as principais nações da Europa de hoje. Em 476 de nossa era se consumou a queda e a soberania romana.

Mas a profecia sobre o animal terrível e espantoso não termina por aqui. No próximo programa vamos conhecer o poder religioso exercido por um dos chifres ou pontas desse reino.

Creia no Senhor Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

Leopardo com quatro cabeças

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 084

Nos últimos programas estudamos os dois primeiros animais da profecia de Daniel, capítulo sete. O profeta, ao mencionar o leão com asas de águia estava se referindo a Nabucodonosor, rei de Babilônia. Na profecia, o leão perderia as asas de águia, uma referência a fraqueza e despreparo dos sucessores do rei caldeu. Já o urso, representava a Medo Pérsia.

Neste programa vamos estudar Daniel 7:6, o terceiro animal: “Depois disto continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante ao leopardo, que tinha quatro asas de ave nas costas; tinha também este animal quatro cabeças, e foi-lhe dado domínio.”

Perceba que este terceiro poder – terceiro reino – teria características de leopardo, porém com algumas anormalidades como asas nas costas e quatro cabeças.

“O leopardo é um grande felino, com manchas arredondadas pelo corpo e pertence a família do leão. É carnívoro e faz presa a qualquer animal que possa, incluindo antílopes, veados e animais menores, inclusive aves, mas a sua predileção é por cães. O leopardo é bem conhecido por causa de sua agilidade e velocidade”.

Gostaria que você lembrasse do seguinte detalhe: essa profecia foi feita aproximadamente no ano de 555 antes de Cristo. Deus estava dando uma visão a Daniel do futuro político, histórico e religioso do mundo. Nessa visão os grandes reinos foram apresentados de uma forma simbólica.

Os Medos e Persas – o urso da profecia – dominaram o mundo de 539 a 331 antes de Cristo. A História mostra que depois deles veio a Grécia, veio Alexandre, o Grande.

Alexandre nasceu em 356 antes de Cristo e era filho de Filipe II. Em 336 AC herdou o trono da Macedônia. A sua primeira tarefa foi acalmar e reorganizar o seu próprio império. Depois que a ordem foi estabelecida na sua própria terra teve como alvo conquistar o império Persa, ambição que havia herdado do pai. 

Com 35 mil homens invadiu o território Persa. Um ano depois conquistou a cidade de Tiro, depois a Palestina e o Egito. No ano 331 fundou a cidade de Alexandria, no Egito. Ali se declarou sucessor de Faraó e sua tropa o aclamou como Deus. Já em 323 AC estabeleceu a sua capital em Babilônia, cidade que ainda mantinha muito da beleza e glória dos tempos de Nabucodonosor. (S.D.A.B.C, vol. 5, p. 848).

O que chama a atenção de todos os que estudam a História universal é a idade de Alexandre. Com pouco mais de 20 anos estava conquistando o mundo. Impressiona também a influência que recebeu do pai. E aqui, amigo ouvinte, temos uma importante lição: a influência positiva ou negativa dos pais. A maneira como os pais envolvem seus filhos em outras atividades além dos estudos é fundamental para o crescimento intelectual, físico e moral das crianças.  É muito triste quando vemos pais nada preocupados com o preparo dos filhos para a vida. E, estes, menos ainda.

Alexandre com 25 anos já dominava o mundo. Era o leopardo com quatro asas nas costas. Não há símbolo melhor para descrever o jovem Alexandre e suas conquistas.  Era ágil e cheio de energia. E é assim que precisamos ser. É assim que o mundo precisa de homens e mulheres. Findou-se o tempo de homens e mulheres estáticos, parados, sem iniciativa.

A profecia diz que o leopardo tinha quatro cabeças. O que este símbolo quer dizer? Os estudiosos da Bíblia acreditam que as quatro cabeças tem mais a ver com o que aconteceu depois da morte do jovem conquistador.

No ano 323 AC, após estabelecer Babilônia como sua capital, Alexandre se excedeu na bebida e caiu enfermo e morreu de “febre dos pântanos”, que se crê que era o nome usado naquela época para descrever a malária (S.D.A.B.C., vol. 5, p. 848). Ele estava com 33 anos e preparava uma expedição à Arábia. Morreu no dia 18 de junho de 323 AC.

Como a morte do líder foi repentina, não deu tempo de ser preparado um sucessor. Seus quatro principais generais disputavam o trono. Não houve consenso entre eles. Guerrearam entre si e na famosa batalha de Ipsos, em 301 AC, o grande império Grego acabou sendo dividido em quatro partes – as quatro cabeças do leopardo. “Formaram-se então quatro reinos: o da Macedônia e Grécia com Cassandro, que triunfara sobre seus rivais; o da Síria com Seleuco; o do Egito, com Ptolomeu; e o da Trácia e parte da Ásia Menor com Lisímaco.” (História Universal, Rocha Pombo, p. 68).

Portanto, após o ano 301 AC o grande império formado por Alexandre foi dividido em quatro partes e permaneceu dessa forma até ser conquistado por Roma, no ano 168 AC.

Amigo ouvinte, quantas vidas foram apagadas cedo na História por falta de controle, de domínio próprio, seja do temperamento ou do apetite. Quanta bebedeira, quanta orgia, quanta droga e quantos vícios estão destruindo carreiras promissoras, jovens, pais de família. Poucos têm coragem de se levantar e condenar tais costumes. O povo, como argumentam os defensores dessas práticas, “precisa se divertir”. Mas e, quem paga a conta? Tratar os doentes causados pelo fumo, pelo álcool, drogas, acaba recaindo sobre outros que nada tem a ver com o assunto.

Amigo ouvinte, seja um vencedor. Não só no campo profissional, mas também sobre o apetite. Alimente-se daquilo que contribuirá para a saúde e prosperidade. Na vá atrás das falsas promessas ou da propaganda enganosa. Busque e siga a orientação da Palavra de Deus.

E a profecia de Daniel 7 continua no próximo programa. Fique seguro no Senhor. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

Urso devorador

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 083

No último programa estudamos o primeiro animal da profecia de Daniel, capítulo sete. O profeta, ao mencionar o leão com asas de águia estava se referindo a Nabucodonosor, rei de Babilônia. Na profecia, o leão perderia as asas de águia, uma referência a fraqueza e despreparo dos sucessores do rei caldeu.

Hoje vamos estudar o segundo dos quatro animais. Daniel 7:5: “Continuei olhando, e eis aqui o segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os dentes; e foi-lhe dito: levanta-te e devota muita carne.”

O que Deus queria transmitir ao profeta, quando fez esse tipo de revelação? Primeiramente, vamos conhecer um pouco da vida e hábitos de um urso. A Bíblia diz que é um animal astuto (Lamentações 3:10); o urso defende furiosamente suas crias (II Samuel 17:8); tem muita força em suas patas (I Samuel 17:37).

“Os ursos são classificados como carnívoros; mas na verdade eles se alimentam de outras coisas, incluindo plantas das mais variadas espécies, peixes e pequenos animais. Também comem formigas, abelhas e suas colméias. Os ursos normalmente evitam o homem, mas no inverno e começo da primavera, após saírem da hibernação parcial, os ursos estão muito famintos e podem atacar rebanhos. Já as ursas só tem filhotes uma vez por ano, dando até quatro crias de cada vez… Um único golpe da pata de um urso pode esmagar a cabeça de um homem ou animal.” (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, vol. 6, p. 697).

Um outro fato que temos que lembrar é que, em profecias, a própria Bíblia diz que animal significa “reis e reinos”. Portanto, após a fase caracterizada pelo leão, surgiria um reino ou rei cujas ações seriam semelhantes as de um urso.

E foi exatamente isto que aconteceu após o período babilônico. Astiages, rei dos Medos, teve uma filha que recebeu o nome de Mandana, e os oráculos diziam que ela seria forte, poderosa e destruiria o próprio pai. Astiages, com medo das profecias a respeito da filha, enviou-a para a Pérsia. Lá ela se casou com Cambises e desse casamento nasceu Ciro.

“Calcula-se que Ciro nasceu perto do ano 600 antes de Cristo. Foi o fundador do império Persa e conquistador de Babilônia. Governou-a de 539 AC até morrer no ano 530.” (Arqueologia Bíblica, p. 282).

Ao se tornar rei da Pérsia propôs a Astiages, rei dos Medos – que era seu avô – uma união para criar um grande exército. Astiages, lembrando das profecias sobre Mandana, mãe de Ciro, não aceitou a aliança. Ciro enviou os seus embaixadores mais importantes para convencer o avô das vantagens dessa aliança. Astiages prendeu os embaixadores e lhes cortou a língua, dizendo: “Voltem e digam a Ciro qual é a minha resposta”.

Ciro, então, conquistou os Medos, mas não destruiu o avô. Dessa forma os dois povos foram unidos a força. Os Persas eram mais fortes.

E, foi na noite de 13 de outubro de 539 AC que a cidade de Babilônia caiu diante do exército dos Medos e Persas, liderados por Ciro (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, vol. 1, p. 752). Após a queda de Babilônia Ciro colocou Astiages como um dos líderes da cidade.

A profecia mencionava que o urso estaria com um lado levantado; andaria com um lado do corpo mais alto do que o outro. Isto quer dizer que a sociedade proposta por Ciro ao seu avô não funcionou de forma perfeita. Astiages aceitou a união porque não lhe restava outra alternativa. Os Medos e Persas não viviam uma sociedade equilibrada. Um lado era mais forte que o outro.

A profecia também afirmava que o urso tinha na boca três costelas. Interessante que as três conquistas mais importantes dos Medos e Persas foram a Lídia, em 546 AC,  Babilônia, em 539 e o Egito, em 525 AC. A profecia se cumpriu plenamente.

Gostaria de chamar sua atenção para um outro ponto importante: em Babilônia estavam  os judeus cativos. E uma das tarefas de Ciro, segundo outra profecia já estudada nesse programa, era libertar os judeus da escravidão. E foi exatamente isso que ele fez. A arqueologia confirma isso. Foi encontrado um cilindro de 45 centímetros de comprimento que hoje está em um museu, em Paris. No cilindro está escrito: “Ciro desviou o rio e conquistou a Babilônia e recebeu a visita de líderes das nações que estavam no cativeiro, e depois desta visita, Ciro decretou que as nações voltassem para sua terra”. (J.A. Thomson. The Bible and Archaelogy. William Eardmann Publishers Co. Grand Rapids, Mi. 1982. p. 202).

Deus, amigo ouvinte, tem um plano especial para você também como teve com Ciro. Ele está a procura de pessoas que, a semelhança de Ciro, se disponham a levar a verdadeira liberdade aos que se encontram de uma ou outra forma cativos. Quem sabe, prisioneiros de sentimentos de culpa, de complexos de inferioridade, infelizes com o que tem ou com o que são.

Jesus Cristo veio a este mundo também para libertar. Libertar cada um de nós de qualquer problema ou situação que nos escravize. Deus almeja a nossa felicidade e, como escreveu Paulo, podemos todas as coisas nAquele que nos fortalece (Filipenses 4:13).

No próximo programa vamos estudar o terceiro animal da profecia de Daniel, capítulo 7. Até lá e, lembre-se sempre: creia no Senhor Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

Leão com asas de águia

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 082

A partir do programa de hoje estudaremos um dos mais importantes e difíceis capítulos do livro de Daniel. Estudaremos o capitulo sete onde Deus revelou a Daniel a história do mundo com as suas marchas e contramarchas, inclusive a história política e religiosa.

O capitulo sete é uma ampliação do capítulo dois. Já estudamos de uma forma completa esse capítulo em programas anteriores. Tanto o capítulo dois como o sete descrevem os reinos e as implicações e complicações religiosas, até o estabelecimento do reino de Deus.

Daniel recebeu este sonho profético quando Belsazar era o rei co-regente de Babilônia, quando nessa ocasião o pai dele, Nabonido, estava em Temã se recuperando de problemas com a saúde. A visão aconteceu no primeiro ano de Belsazar (Daniel 7:1).

Vamos ler os versos 2 a 4? “Na minha visão da noite eu estava olhando, e vi que os quatro ventos do céu agitavam o mar Grande. Quatro animais, diferentes uns dos outros subiam do mar Grande. O primeiro era como leão, e tinha asas de águia. Eu olhei até que foram arrancadas as asas, e foi levantado da terra, e posto em pé como um homem, e foi-lhe dado um coração de homem”.

Antes de analisarmos o primeiro animal e o que ele significa, vamos deixar que a própria Bíblia interprete os seus símbolos. Mar, água é igual a povos, multidões e nações (Apocalipse 17:15). Já ventos são símbolos de agitação política sobre a terra (Jeremias 4:12-13). Animais, em profecia, são símbolos de reis e reinos (Daniel 7:17). Asas representam agilidade, destreza, rapidez, força (Jeremias 48:40).

Depois desse esclarecimento bíblico podemos com toda a certeza entender perfeitamente a profecia de Daniel, capítulo sete. É importante também lembrar que quando lemos ou falamos “animal” ou “besta”, em profecia, estamos falando de um governo, reino, um poder.

O primeiro animal era semelhante a um leão, com asas de águia; foi posto em pé e tinha um coração de homem. Sem dúvida nenhuma, o leão representa Babilônia, a potência que dominava o mundo daquela época.

 “O leão como rei das feras e a águia como a rainha das aves, representavam adequadamente o império Babilônico em seu apogeu e sua glória. O leão se destaca por sua força, entretanto a águia é famosa por seu vigor e no alcance dos seus vôos”.

Este leão alado representava o período Neo-Babilônico, que sob Nabucodonosor, se tornou o maior e o mais forte império até aquela época. Daniel estava descrevendo de forma figurativa o que ele estava vendo. Em outras palavras, Daniel estava falando da força das conquistas de Nabucodonosor e a agilidade de suas ações. O leão alado representava força e agilidade. O poder de Nabucodonosor não foi somente sentido em Babilônia, mas desde o Mediterrâneo até o Golfo Pérsico, e desde a Ásia Menor até o Egito.

O profeta Habacuque comparou os Caldeus como águias. Note a descrição: “Suscito os caldeus, nação feroz e impetuosa, que marcha sobre a largura da terra… Os seus cavaleiros espalham-se por toda a parte; os seus cavaleiros vêm de longe. Voam como águia que se apressa em devorar” (Habacuque 1:6 e 8).
Até agora analisamos o que Daniel estava vendo, mas a partir deste momento começaremos a estudar o que iria acontecer. Trata-se de uma profecia. Ela dizia que as asas seriam arrancadas (Daniel 7:4). Isto significava o contrário do que dissemos até este momento. Se as asas significavam agilidade de movimentos, perder essas asas queria dizer que os sucessores de Nabucodonosor ficariam sem o prestígio e o poder mundial.

A profecia diz ainda que o leão ficaria em pé (Daniel 7:4). Este é mais um símbolo profético. “Um leão, erguido sobre dois pés como homem, indica que ele perdeu suas qualidades distintivas de um leão”. Foi a decadência do império, com os sucessores de Nabucodonosor mais interessados em desfrutar das conquistas passadas do que fortalecer o reino.

Algumas lições dessa profecia: a primeira delas é que se eu quero alcançar o sucesso em todas as áreas, especialmente no campo espiritual, não devo ficar amparado no que fiz no passado. Infelizmente muitos cristãos hoje em dia alicerçam a vida cristã no que fizeram: eu testemunhava, eu lia a Bíblia todos os dias, eu freqüentava a igreja regularmente… Amigo ouvinte, o que você fez no passado não vai garantir a sua sobrevivência espiritual no presente. O que vai mantê-lo em pé e ser um conquistador permanente, não é o que você fez, mas o que você está fazendo neste momento. Se hoje você não tem mais tempo para a Bíblia saiba que a sua queda é só uma questão de tempo. O passado é como um farol traseiro, só ilumina para trás. O que vale, o que importa, é o que você fazendo agora, hoje, neste momento.

Há um outro conceito que precisa ser lembrado. A tendência natural de todas as coisas é a desorganização. Tudo está sujeito ao princípio da entropia, ou seja, tudo que é novo fica velho, tudo o que está funcionando bem hoje, amanhã estragará. O tempo não concerta nada, como dizem os evolucionistas, o tempo apenas destrói. Os evolucionistas ensinam que o tempo cria, mas esquecem da ação implacável do tempo em todas as coisas que nos cercam.

O tempo passa, os anos se vão e cada um vai mostrando se está ou não aproveitando as oportunidades. Os sucessores de Nabucodonosor fizeram uso errado do tempo e das oportunidades. E foram destruídos.

No próximo programa continuaremos falando da profecia de Daniel capítulo 7. Até lá e, lembre-se: creia no Senhor Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

Daniel 7:1-3 


O leão é considerado o rei dos animais e a águia, a rainha das aves. Este animal é um leão que tem asas de águia, aparece com duas asas.
Vamos ver o que significa ou representa esse leão.
É sabido de todos que o nosso mundo foi dominado por quatro poderosos reinos.
O primeiro reino é representado por Babilônia. As asas que vemos neste animal representam rapidez nas conquistas, No reinado de Nabucodonosor a Babilônia rapidamente conquistou o mundo e seu reinado se estendeu do ano 606 ao ano 539aC.
O profeta Daniel diz que as asas foram arrancadas, isso quer dizer que Nabucodonosor perderia sua força.
O capítulo 4 de Daniel descreve que por causa de seu orgulho este rei por 7 anos estaria afastado do poderio de Babilônia, tomado por uma doença mental conhecida como licontropia, viveu ele como um animal durante 7 anos comendo inclusive pastagens com os animais. Seu pelos e unhas cresceram.
As asas seriam arrancadas isso quer dizer que o poder de Babilônia iria cair. Viriam outros líderes e enfraqueceria até que perdesse totalmente o seu poder.
 

Daniel 7:5 

Representa o segundo império mundial, o Império Medo Persa. Ouve uma união entre a média e a Persa, e assim eles conquistaram o mundo tirando o poder de Babilônia.
Seu domínio se deu do ano 539 a 331 aC.
Quando diz que um dos seus lados se levantou primeiro quer dizer que a Pérsia se destacou primeiramente e depois eles se uniram criaram mais força e dominaram o mundo.
 

Daniel 7:6 

Um leopardo com quatro cabeças e quatro asas.
Se o leão tinha duas asas representando a rapidez de suas conquistas o que não dizer do terceiro império. A rapidez de conquista do leopardo seria muito maior.
O terceiro império representa a Grécia, A Grécia teve o seu poder estendido do ano 31 ao ano 168 aC.
As quatro asas a rapidez das conquistas e as quatro cabeças, representam os quatro generais de Alexandre o Grande. Alexandre era o imperador, o grande estrategista militar, e ele possuía quatro grandes generais, pessoalmente envolvidos em seu governo, e por isso o leopardo tem quatro cabeças, representando os quatro generais gregos.
O nome desses generais são: Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu.
 

Daniel 7:7 

Ele aparece com dez chifres, que representam, poder, reino, rei.
Este reino teria a maior concentração de poder. Por isso ele tem dez chifres e esse quarto animal representa o quarto império mundial, Roma, e Roma aparece na Bíblia sobre este símbolo.
No meio dos dez chifres surgiu um chifre pequeno.
Na imagem vemos 8 chifres. Sabe por que? Porque quando este chifre se levantou, outros 3 caíram para lhe dar lugar. Quando o surgiu ele derrotou três reinos.
 

Daniel 7:8 

Neste chifre havia olhos como de homem, e uma boca que falava com insolência.
O que isso tem que ver com a sua fé e a sua vida? 
Daniel 7:17 – Estes grandes animais, que são quatro, são quatro reis, que se levantarão da terra.
Daniel 7:16 – Cheguei-me a um dos que estavam perto, e pedi-lhe a verdade acerca de tudo isto. E ele me disse, e fez-me saber a interpretação das coisas.
Daniel 7:19 – Então tive desejo de conhecer a verdade a respeito do quarto animal, que era diferente de todos os outros, muito terrível, cujos dentes eram de ferro e as suas unhas de bronze; que devorava, fazia em pedaços e pisava aos pés o que sobrava.
O quarto animal chamou a atenção de Daniel mais do que os outros.
Você saberá a verdade sobre o quarto animal?
A Bíblia fala sobre este quarto animal e particularmente sobre aquele chifre de olhos e boca que se levantou por último. 
Daniel 7:21 – Eu olhava, e eis que este chifre fazia guerra contra os santos, e prevaleceu contra eles.
Quais são estes santos? São os filhos de Deus. Os santos aí seriam Santo Antônio, São Benedito, São Judas Tadeu, São Pedro e outros santos?
Vejamos quem são os santos no livro de Apocalipse:
Apocalipse 14:12 – Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.
Roma dominou o mundo desde o ano 168 até o ano 476 dC.
Nos dias de Jesus o mundo era dominado por Roma. Pôncio Pilatos era governador de Roma, Herodes, oficiando a Roma, mandou matar todas as criancinhas hebréias abaixo de 2 anos.
A Bíblia diz que daquele bicho terrível, do meio dos dez chifres, iria surgir o chifre pequeno.A Bíblia diz o que ele faria no passado e no futuro também.
Muitos que freqüentam igrejas, lêem a Bíblia, mas não vigiam, não oram direito, e quando lêem a Bíblia o fazem de uma maneira muito superficial e por isso vivem uma vida espiritual muito relaxada, despreocupada.
A Bíblia fala que esse poder representa: 
II Tessalonicenses 2:3,4 – Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição.
Aí está revelada a estratégia do inimigo.
Vamos ler o último texto desse estudo. 
Daniel 8:12 – E um exército foi dado contra o sacrifício contínuo, por causa da transgressão; e lançou a verdade por terra, e o fez, e prosperou.
Jeremias 10:10 diz que Deus é a verdade. 
Alguém pode jogar Deus por Terra?
Alguém pode jogar Jesus por Terra?
Alguém pode jogar o Espírito Santo por terra?
Alguém pode jogar Bíblia por Terra?
Alguém pode jogar os mandamentos por terra?
Daniel diz que a ponta pequena faria isso e prosperaria.
Isso aconteceu no passado, está acontecendo hoje, e vai acontecer no futuro.
A verdade nunca vai cair, a palavra de Deus nunca vai perder a sua autoridade universal e nunca vai ser lançada por Terra, então como entender o que Daniel está dizendo?
O inimigo não enfrenta a Deus, porque Ele sabe exatamente quem é Deus, ou o Espírito Santo, ou ainda o Filho. Mas ele pode fazer com que as cinco colunas da verdade na vida de muitas pessoas sejam lançadas por terra.
Deus em sua infinita sabedoria e amor nos revela a estratégia do inimigo. Ele revela também o Seu poder para salvar e restaurar as pessoas e a verdade.
Hoje, Ele quer restaurar a verdade em seu coração e fazer de você a pessoa mais feliz do mundo. Você deseja que a verdade seja restaurada em seu coração?
Coloque-se de joelhos agora, ore a Deus e entregue sua vida e este Pai maravilhoso.