A sonho profético de Nabucodonosor

Lição 1 - Sete Palavras Proféticas - de 1 a 6

OBS: Texto em revisão, estamos juntando os melhores estudos sobre o assunto e resumindo em um só

 

quem lê, atenda;  Mateus 24:15

E no segundo ano do reinado de Nabucodonosor, Nabucodonosor teve sonhos; e o seu espírito se perturbou, e passou-se-lhe o sono. Daniel 2:1

 


 

Clique nas fotos para ampliar

 


 

Daniel cap 2 - Ora no segundo ano do reinado de Nabucodonosor, teve este uns sonhos; e o seu espírito se perturbou, e passou-se-lhe o sono.
2 Então o rei mandou chamar os magos, os encantadores, os adivinhadores, e os caldeus, para que declarassem ao rei os seus sonhos; eles vieram, pois, e se apresentaram diante do rei.
3 E o rei lhes disse: Tive um sonho, e para saber o sonho está perturbado o meu espírito.
4 Os caldeus disseram ao rei em aramaico: Ó rei, vive eternamente; diz o sonho a teus servos, e daremos a interpretação
5 Respondeu o rei, e disse aos caldeus: Esta minha palavra é irrevogável se não me fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados, e as vossas casas serão feitas um monturo;
6 mas se vós me declarardes o sonho e a sua interpretação, recebereis de mim dádivas, recompensas e grande honra. Portanto declarai-me o sonho e a sua interpretação.
7 Responderam pela segunda vez: Diga o rei o sonho a seus servos, e daremos a interpretação.
8 Respondeu o rei, e disse: Bem sei eu que vós quereis ganhar tempo; porque vedes que a minha palavra é irrevogável.
9 se não me fizerdes saber o sonho, uma só sentença será a vossa; pois vós preparastes palavras mentirosas e perversas para as proferirdes na minha presença, até que se mude o tempo. portanto dizei-me o sonho, para que eu saiba que me podeis dar a sua interpretação.
10 Responderam os caldeus na presença do rei, e disseram: Não há ninguém sobre a terra que possa cumprir a palavra do rei; pois nenhum rei, por grande e poderoso que fosse, tem exigido coisa semelhante de algum mago ou encantador, ou caldeu.
11 A coisa que o rei requer é difícil, e ninguém há que a possa declarar ao rei, senão os deuses, cuja morada não é com a carne mortal.
12 Então o rei muito se irou e enfureceu, e ordenou que matassem a todos os sábios de Babilónia.
13 saiu, pois, o decreto, segundo o qual deviam ser mortos os sábios; e buscaram a Daniel e aos seus companheiros, para que fossem mortos.
14 Então Daniel falou avisada e prudentemente a Arioque, capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de Babilónia;
15 pois disse a Arioque, capitão do rei: Por que é o decreto do rei tão urgente? Então Arioque explicou o caso a Daniel.
16 Ao que Daniel se apresentou ao rei e pediu que lhe designasse o prazo, para que desse ao rei a interpretação.
17 Então Daniel foi para casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros,
18 para que pedissem misericórdia ao Deus do céu sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o resto dos sábios de Babilónia.
19 Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; pelo que Daniel louvou o Deus do céu.
20 Disse Daniel: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque são dele a sabedoria e a força.
21 Ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; é ele quem dá a sabedoria aos sábios e o entendimento aos entendidos.
 22 Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.
 23 Ó Deus de meus pais, a ti dou graças e louvor porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos; pois nos fizeste saber este assunto do rei.
24 Por isso Daniel foi ter com Arioque, ao qual o rei tinha constituído para matar os sábios de Babilónia; entrou, e disse-lhe assim: Não mates os sábios de Babilónia; introduz-me na presença do rei, e lhe darei a interpretação.
 25 Então Arioque depressa introduziu Daniel à presença do rei, e disse-lhe assim: Achei dentre os filhos dos cativos de Judá um homem que fará saber ao rei a interpretação.
 26 Respondeu o rei e disse a Daniel, cujo nome era Beltechaçar: Podes tu fazer-me saber o sonho que tive e a sua interpretação?
 27 Respondeu Daniel na presença do rei e disse: O mistério que o rei exigiu, nem sábios, nem encantadores, nem magos, nem adivinhadores lhe podem revelar;
28 mas há um Deus no céu, o qual revela os mistérios; ele, pois, fez saber ao rei Nabucodonosor o que há de suceder nos últimos dias. O teu sonho e as visões que tiveste na tua cama são estas:
29 Estando tu, ó rei, na tua cama, subiram os teus pensamentos sobre o que havia de suceder no futuro. Aquele, pois, que revela os mistérios te fez saber o que há de ser.
30 E a mim me foi revelado este mistério, não por ter eu mais sabedoria que qualquer outro vivente, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses os pensamentos do teu coração.
31 Tu, ó rei, na visão olhaste e eis uma grande estátua. Esta estátua, imensa e de excelente esplendor, estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível.
32 A cabeça dessa estátua era de ouro fino; o peito e os braços de prata; o ventre e as coxas de bronze;
33 as pernas de ferro; e os pés em parte de ferro e em parte de barro.
34 Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem auxílio de mãos, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou.
35 Então foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a pragana das eiras no estio, e o vento os levou, e não se podia achar nenhum vestígio deles; a pedra, porém, que feriu a estátua se tornou uma grande montanha, e encheu toda a terra.
37 Tu, ó rei, és rei de reis, a quem o Deus do céu tem dado o reino, o poder, a força e a glória;
38 e em cuja mão ele entregou os filhos dos homens, onde quer que habitem, os animais do campo e as aves do céu, e te fez reinar sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro.
39 Depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de bronze, o qual terá domínio sobre toda a terra.
40 E haverá um quarto reino, forte como ferro, porquanto o ferro esmiúça e quebra tudo; como o ferro quebra todas as coisas, assim ele quebrantará e esmiuçará.
41 Quanto ao que viste dos pés e dos dedos, em parte de barro de oleiro, e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo.
42 E como os dedos dos pés eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte, e por outra será frágil.
43 Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão pelo casamento; mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro.
44 Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu suscitará um reino que não será jamais destruído; nem passará a soberania deste reino a outro povo; mas esmiuçará e consumirá todos esses reinos, e subsistirá para sempre.
45 Porquanto viste que do monte foi cortada uma pedra, sem auxílio de mãos, e ela esmiuçou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro, o grande Deus faz saber ao rei o que há de suceder no futuro.

 

 


 

A cidade da Babilônia
 


A Babilónia pertencia ao Império Assírio e era uma cidade muito rica, de onde o Império assírio extraía todas as suas riquezas por causa disso, o império viveu durante alguns anos uma guerra civil, porque Babilónia, sendo uma cidade que se auto-sustentava queria a independência.

 

 
Babilónia vence a guerra e Nabucodonosor é nomeado rei da Babilónia, aos poucos o rei vai estendendo o seu território e chega a Israel (Israel no mapa se localiza onde diz Jerusalém e Megido)
 


 
Chegando em Israel o rei pega como reféns a corte do rei, entre eles estavam quatro jovens-adultos: Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Mas o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes: a Daniel, o de Beltechaçar; a Hananias, o de Sadrac; a Misael, o de Mesac; e a Azarias, o de Abednego.
A estes quatro jovens, Deus lhes deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e em toda a sabedoria; e Daniel era entendido em todas as visões e todos os sonhos. Passa o tempo e o rei Nabucodonosor tem um sonho que não se lembra e quer que os seus astrólogos descubram o sonho, porque parecia ser importante. O rei sonhou com essa estátua ( ao lado direito estão os significados)

 

 
 
Império Medo-Persa

Esse império é uma coligação de dois reinos: o reino da Média e o reino da Pérsia, Ciro casou com a filha do rei da Média, e através do seu general Dário, o Medo, conquistou a Babilónia em 539 a.C. Esse império era maior em território, mas era inferior, porque tinha menos luxo e riqueza.

 
A Porta de Entrada da Cidade
 


Mapa do Império Medo-Persa
 

Império Grego
 
O bronze é tão brilhante como o ouro, mas de menor duração, deste modo, pode se considerar a rápida conquista de Alexandre, o grande. A armadura e todos os utensílios de guerra estavam feitos de bronze. 
Dário III Codomano, último rei persa foi derrotado por Alexandre, o grande, em três batalhas, Granico em 334 a.C, Issos em 333 a.C e em Arbelas em 331 a.C.
            O domínio de Alexandre, o grande, se estendia sobre Macedónia, Grécia, Medo-Pérsia, Egipto até a Índia.

 

 
Império Romano
 
Roma ganhou o seu território pela força e pelo temor que as pessoas tinham das legiões. Primeiro interveio em assuntos internacionais, conquista Cartago, que virá a ser a sua fonte de riquezas.
O Império Romano se inicia em 168 a.C com uma forte unidade política, época de conquistas e prosperidade, mais tarde devido a extensão do império, a administração do Império foi dividida em Ocidente e Oriente.
            O Império Romano do Ocidente cai em 476 a.C, devido a falta de dinheiro, porque Cartago conseguiu a independência e os povos chamados bárbaros, começam a invadir o Império Romano: Alemães, Francos, Burgundios, Vandalos, Suevos, Visigodos, Saxões, Ostrogodos, Lombardos e Hérulos.
            O tempo passa e começam a querer unir as nações novamente para terem mais força, e o fazem através de casamento, uniões políticas, etc, mas não poderão romper os laços dos nacionalismos, porque na Bíblia está escrito no versículo 43 Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão pelo casamento; mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro. 
 


 


 

              
As divisões das monarquias foram preditas por Deus.
 
Os metais têm valor decrescente, o que indica decadência em todos os aspectos e vemos a situação do mundo como está e com certeza vai piorar cada vez mais e a solução do planeta, só poderá vir de Deus. A pedra que atinge a estátua é a segunda vinda de Cristo.




 


Peçamos a ajuda de Deus:

Ó Pai,
Enquanto nos aprofundamos cada vez mais no livro de Daniel, nós Lhe pedimos que nos dê sabedoria e discernimento, para que possamos entender o significado dessas importantes profecias e o estudo de Sua Palavra nos aproxime cada vez mais do Senhor.

Oramos em nome de Jesus Cristo.

Amém.

 
Ilustração 3 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 3

 

2 Pedro 1:19 Comentários
E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia esclareça, e a estrela da alva apareça em vosso coração. Nesta lição, continuaremos a estudar as profecias bíblicas, uma atividade que a Palavra de Deus incentiva veementemente.

Mas, antes de começar, sugerimos que você revise a lição intitulada «A Estátua de Daniel», para entender corretamente todos os elementos que serão explicados nesta lição.

 

E no segundo ano do reinado de Nabucodonosor, teve Nabucodonosor uns sonhos. Em nossa lição «A Estátua de Daniel», vimos que Nabucodonosor, rei da Babilônia, teve um sonho que o impressionou muito; porém, ele esqueceu totalmente o conteúdo desse sonho.

O profeta Daniel, inspirado por Deus, revelou-lhe o conteúdo desse sonho: uma grande estátua, feita de diversos materiais, acabou sendo destruída por uma pedra, que se transformou numa grande montanha.

Vejamos um desenho esquemático da estátua que o rei tinha visto.

 

 

Ilustração 4 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 4

 

O esboço da estátua que o rei tinha visto

 

 

 

Ilustração 5 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 5
Daniel 2:36 Comentários
Este é o sonho; também a interpretação dele diremos na presença do rei. Após ter revelado o conteúdo do sonho, Daniel explicou o significado ao rei Nabucodonosor.

A estátua representava uma sucessão de impérios universais, desde a Babilônia até o fim do mundo, e a pedra que se transformava numa grande montanha simbolizava o estabelecimento do reino eterno de Deus, por ocasião da segunda vinda de Cristo.

Vejamos agora o resumo dessa interpretação surpreendente.
 

 

Ilustração 6 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 6
O resumo da interpretação do sonho do rei
 

 

Ilustração 7 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 7
Daniel 2:45 Comentários
Da maneira como viste que do monte foi cortada uma pedra, sem mãos, e ela esmiuçou o ferro, o cobre, o barro, a prata e o ouro (...). O símbolo da pedra é freqüentemente usado na Bíblia para representar Jesus Cristo.

A volta de Jesus Cristo, a«pedra cortada do monte»,porá um fim a esse mundo, acabando com todos os reinos da terra.
Atos 4:10,11
Jesus Cristo (...) é a pedra.
 

 

Ilustração 8 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 8
Daniel 7:1 Comentários
No primeiro ano de Belsazar, rei de Babilônia, teve Daniel, na sua cama, um sonho. Muitos anos depois, quando Belsazar era o novo rei da Babilônia, Daniel também teve um sonho profético.
 

 

Ilustração 9 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 9
Daniel 7:2,3 Comentários
Falou Daniel e disse:

«Eu estava olhando, na minha visão da noite, e eis que os quatro ventos do céu combatiam no mar grande.

E quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar.»
Assim como Nabucodonosor viu uma estátua cuja sucessão de metais representava os reinos universais que existiriam até o fim do mundo, Daniel viu uma sucessão de quatro grandes animais, que também tinha uma mensagem profética.

Primeiro, vemos que os animais surgem do mar: isso tem algum significado?
 

 

Ilustração 10 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 10
Isaías 17:12,13 Comentários
Ai da multidão dos grandes povos que bramam como bramam os mares e do rugido das nações que rugem como rugem as impetuosas águas!

Bem rugirão as nações, como rugem as muitas águas.
A própria Bíblia dá as chaves para a profecia: as águas representam povos e nações.

Portanto, o animal que surge do mar vem de locais habitados.
Apocalipse 17:15
E [o anjo] disse-me:

«As águas que viste (...) são povos, e multidões, e nações, e línguas.»
 

 

Ilustração 11 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 11
Daniel 7:17,23 Comentários
Estes grandes animais, que são quatro, são quatro reis. (...)

O quarto animal será o quarto reino na terra.
Assim como os metais da estátua, os quatro animais representam quatro reinos terrenos que se sucederão.

Vejamos esses animais um por um.
 

 

Ilustração 12 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 12
Daniel 7:4 Comentários
O primeiro era como leão e tinha asas de águia.

Eu olhei até que lhe foram arrancadas as asas, e foi levantado da terra e posto em pé como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem.
O primeiro animal era um leão com asas de águia.

Que reino é simbolizado por essa descrição?
 

 

Ilustração 13 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 13
Jeremias 50:43,44 Comentários
O rei da Babilônia (...) como leão subirá da enchente do Jordão contra a morada forte. O ouro, rei dos metais, designa o da Babilônia.

Da mesma forma, o leão, rei dos animais, com asas de águia, designa esse mesmo reino.
Ezequiel 17:3,12
Uma grande águia, de grandes asas, de farta plumagem (...).

Não sabeis o que significam estas coisas?

Dize: «Eis que veio o rei de Babilônia a Jerusalém, e tomou o seu rei e os seus príncipes, e os levou consigo para Babilônia.»
 

 

Ilustração 14 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 14
Daniel 7:4 Comentários
Eu olhei até que lhe foram arrancadas as asas, e foi levantado da terra e posto em pé como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem. E o que significa essa descrição simbólica do rei da Babilônia?
 

 

Ilustração 15 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 15
Daniel 4:16,28,34 Comentários
Seja mudado o seu coração, para que não seja mais coração de homem, e seja-lhe dado coração de animal; e passem sobre ele sete tempos. (...)

Todas essas coisas vieram sobre o rei Nabucodonosor. (...)

«Mas, ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu, e tornou-me a vir o meu entendimento.»
Um dia, apesar da advertência de Daniel, Nabucodonosor vangloriou-se do seu poder. Por causa disso, ele ficou louco e pensava que era um boi.

Depois do tempo designado, o entendimento voltou a ele, e ele deu glória a Deus: dessa forma, foi-lhe devolvido o «coração de homem».
 

 

Ilustração 16 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 16
Daniel 7:5 Comentários
O segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os seus dentes.

E foi-lhe dito assim: «Levanta-te, devora muita carne.»
Sabendo que o leão com asas de águia é o reino da Babilônia, podemos identificar facilmente o urso: trata-se do reino dos medos e dos persas.

Mas por que o urso tinha um lado levantado?
Daniel 5:28
Dividido foi o teu reino e deu-se aos medos e aos persas.
 

 

Ilustração 17 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 17
Daniel 8:3,20 Comentários
Um carneiro estava diante do rio, o qual tinha duas pontas; e as duas pontas eram altas, mas uma era mais alta do que a outra. (...)

Aquele carneiro que viste com duas pontas são os reis da Média e da Pérsia.
Em outra visão de Daniel, os reis da Média e da Pérsia foram simbolizados por um carneiro com dois chifres, sendo que um era mais alto que o outro, representando a superioridade em relação ao outro (de fato, os persas logo dominaram os medos).

É por isso que o urso tinha um lado mais alto que o outro.
 

 

Ilustração 18 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 18
Daniel 7:5 Comentários
[O segundo animal] tendo na boca três costelas entre os seus dentes.

E foi-lhe dito assim: «Levanta-te, devora muita carne.»
O urso que devora muita carne é uma descrição precisa dos ataques sangrentos dos medos e dos persas. Suas três principais conquistas,
 
  • Babilônia,
  • Lídia,
  • Egito,
são representadas pelas três costelas na boca do urso.
Isaías 13:17,18
Eis que eu despertarei contra eles os medos, que não farão caso da prata, nem tampouco desejarão ouro.

E os seus arcos despedaçarão os jovens, e não se compadecerão do fruto do ventre; o seu olho não poupará os filhos.
 

 

Ilustração 19 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 19
Daniel 7:6 Comentários
Depois disso, eu continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha quatro asas de ave nas suas costas.

Tinha também esse animal quatro cabeças, e foi-lhe dado domínio.
O terceiro animal é um leopardo com quatro asas e quatro cabeças, representando o reino que sucedeu ao dos medos e persas: a Grécia, cujo império foi fundado em 331 a. C., por Alexandre Magno.

O que significam as quatro asas e quatro cabeças?

Encontramos a resposta dessa pergunta na segunda visão de Daniel.
 

 

Ilustração 20 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 20
Daniel 8:5,7,20,21 Comentários
Um bode vinha do ocidente (...) e aquele bode tinha uma ponta notável entre os olhos. (...)

Feriu o carneiro e lhe quebrou as duas pontas. (...)

Aquele carneiro que viste com duas pontas são os reis da Média e da Pérsia.

Mas o bode peludo é o rei da Grécia.

E a ponta grande que tinha entre os olhos é o rei primeiro.
Em outra visão, Daniel viu novamente o reino dos medos e persas, simbolizado, por um carneiro, e o reino dos gregos, simbolizado por um bode.

O chifre grande do bode é o primeiro rei da Grécia, Alexandre Magno.
 

 

Ilustração 21 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 21
Daniel 8:8,22 Comentários
E o bode se engrandeceu em grande maneira; mas, estando na sua maior força, aquela grande ponta foi quebrada; e subiram no seu lugar quatro também notáveis. (...)

O ter sido quebrada, levantando-se quatro em lugar dela, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, mas não com a força dela.
Exatamente como a profecia previu, Alexandre morreu no auge da fama, em 323 a. C., aos 32 anos de idade, poucos anos depois de ter conquistado o reino medo-persa. Seus quatro generais o sucederam:
 
  • Lisímaco;
  • Cassandro;
  • Ptolomeu;
  • Seleuco.
Agora entendemos por que o leopardo tinha quatro cabeças e quatro asas.
 

 

Ilustração 22 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 22
Daniel 7:7 Comentários
Depois disso, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava.

Era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas.
O quarto reino é Roma: Roma sucedeu o império grego em 168 a. C.

Novamente o ferro é associado a Roma: primeiro pelas pernas de ferro da estátua e agora pelo animal com dentes grandes de ferro.
 

 

Ilustração 23 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 23
Daniel 7:7,23,24 Comentários
[O quarto animal] era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas. (...)

O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços.

E, quanto às dez pontas, daquele mesmo reino se levantarão dez reis.
Assim como os dez dedos da estátua, o animal tinha dez chifres, simbolizando os dez reis que sucederam Roma.

De fato, como já vimos, o império romano, durante o quinto século d. C., foi dividido em dez partes.
 

 

Ilustração 24 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 24
O império romano dividido em dez partes:
  1. Os saxões, originando a nação inglesa.
  2. Os francos, originando a nação francesa.
  3. Os alamanos, originando a nação alemã.
  4. Os visigodos, originando a nação espanhola.
  5. Os suevos, originando a nação portuguesa.
  6. Os lombardos, originando a nação italiana.
  7. Os burgúndios, originando a nação suíça.
  8. Os hérulos, que desapareceram.
  9. Os vândalos, que desapareceram.
  10. Os ostrogodos, que desapareceram.
 

 

Ilustração 25 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 25
Daniel 7:8 Comentários
Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena. À medida que a visão vai chegando ao seu término, é dado mais um detalhe, que não aparece na visão da estátua: o surgimento de um último poder, simbolizado por um chifre pequeno.

Esse poder surge de entre os dez chifres, ou seja, de entre as dez nações européias.
 

 

Ilustração 26 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 26
Daniel 7:8,24 Comentários
Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena diante da qual três das pontas primeiras foram arrancadas. (...)

E, quanto às dez pontas, daquele mesmo reino se levantarão dez reis.

E depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros e abaterá a três reis.
O chifre pequeno arranca três dos dez reis.

A História nos ensina que um poder, surgido da Europa, aniquilou três das dez nações bárbaras:
 
  • os hérulos, em 493 d. C.;
  • os vândalos, em 534 d. C.;
  • os ostrogodos, em 538 d. C.
 

 

Ilustração 27 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 27
Daniel 7:8,19,20,25 Comentários
E eis que nessa ponta havia olhos, como olhos de homem, e uma boca que falava grandiosamente. (...)

Então, tive desejo de conhecer a verdade a respeito (...) daquela ponta, digo, que tinha olhos, e uma boca que falava grandiosamente, e cuja aparência era mais firme do que o das suas companheiras. (...)

E proferirá palavras contra o Altíssimo.
Esse poder, liderado por um homem, profere palavras arrogantes até mesmo contra o próprio Deus.

Além disso, tem uma aparência muito mais impressionante que a de todos os reinos precedentes.
 

 

Ilustração 28 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 28
Daniel 7:21,25 Comentários
Eu olhava, e eis que essa ponta fazia guerra contra os santos e os vencia. (...)

E [ela] destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei.
Esse poder também perseguiria «os santos do Altíssimo», o povo que deseja permanecer fiel aos ensinamentos da Palavra de Deus.

E, mais do que isso, tentaria mudar a lei de Deus.
 

 

Ilustração 29 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 29
Daniel 7:25 Comentários
E [os santos] serão entregues nas suas mãos por um tempo, e tempos, e metade de um tempo. O reino do chifre pequeno durou um tempo, tempos (ou seja, dois tempos, como veremos mais adiante) e metade de um tempo: no total, 3½ tempos.

A expressão aramaica «tempo» («iddam») designa um ano de 360 dias. Sendo assim, temos:

   Um tempo, ou seja, 360 dias
+ Dois tempos, ou seja, 720 dias
+ Meio tempo, isto é, 180 dias

= 3½ tempos, ou seja, 1260 dias.
Próxima telaTela anterior

 

Ilustração 30 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 30
Próxima telaTela anterior

 

 

Apocalipse 12:6 Comentários
E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias. Esse período de 1260 dias, também citado no Apocalipse, nos mostra que a expressão«tempos» significa mesmo «dois tempos».

E, de acordo com a fórmula profética «1 dia = 1 ano», que vimos na lição «As 70 Semanas», esses 1260 dias representam 1260 anos.

A História nos ensina que um poder reinou durante 1260 anos, desde 538 d. C. até 1798 d. C.
Ezequiel 4:6
Um dia te dei para cada ano.

 

     
 
 
Então, quem é o chifre pequeno? Veja as marcas que o identificam:
  1. Apareceu de entre as dez nações (Daniel 7:8).
  2. Exaltou-se depois das dez nações, ou seja, depois de 476 d. C. (Daniel 7:24).
  3. Tem uma aparência mais grandiosa que a das dez nações (Daniel 7:20).
  4. Um homem senta-se à sua cabeça (olhos como os de um homem) (Daniel 7:8).
  5. Arrancou três nações (Daniel 7:8,20,24):
      - hérulos, em 493 d. C.;
      - vândalos, em 534 d. C.;
      - ostrogodos, em 538 d. C.
  6. Blasfemou contra Deus, falando grandiosamente (Daniel 7:8,20,25).
  7. Guerreou contra os santos (Daniel 7:21,25).
  8. Tentou mudar os tempos e a lei (Daniel 7:25).
  9. Reinou exatamente durante 1260 anos, de 538 a 1798 (Daniel 7:25).

 

Lucas 11:9 Comentários
Ilustração 32 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 32
Buscai, e achareis. Descobriremos a identidade do chifre pequeno em uma lição futura.

Enquanto isso, incentivamos você a pensar nesse assunto.

Não hesite em consultar livros de História e enciclopédias: com a ajuda das marcas identificadoras fornecidas pela Palavra de Deus, você certamente descobrirá a identidade do poder representado pelo chifre pequeno.

Você pode ter uma grande surpresa...

 

Ilustração 33 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 33

 

Daniel 7:17,18,27 Comentários
Estes grandes animais, que são quatro, são quatro reis, que se levantarão da terra.

Mas os santos do Altíssimo receberão o reino e possuirão o reino para todo o sempre e de eternidade em eternidade. (...)

E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo.

O seu reino será um reino eterno.
Assim como a visão da estátua, a profecia do sétimo capítulo de Daniel tem um final feliz.

Deus destrói todos os reinos da terra e estabelece o Seu reino eterno, para o bem daqueles que aceitaram o convite Dele.
Ilustração 34 A Hora da Verdade Lição 34
O Zoológico Profético
Tela 34
Pai nosso,

Somos gratos pelo grande privilégio que nos deu de ver o futuro por meio da Sua Palavra inspirada.

À medida que continuamos com o estudo, ajude-nos a identificar o reino simbolizado pelo chifre pequeno, para que o nosso conhecimento sobre profecias bíblicas se aprofunde.

Acima de tudo, nós humildemente Lhe pedimos que guarde um lugar para nós no Seu reino eterno, por meio do precioso sangue do Seu filho, que nos purifica de todo pecado, transformando-nos dia após dia em Sua imagem.

Essa é a nossa oração, em nome de Jesus Cristo.

Amém.

 
Mais site sobre o assunto
http://www.cyberspaceministry.org/Lessons/Truth/Lesson34/por-s34.html#scr17