O Decreto Dominical esta chegando!

 

 

O papa Bento XVI fez uma declaração há alguns meses que é um "alerta" para aqueles que estudam as profecias, e sabem o que está por vir.

Veja o que foi publicado na imprensa:

 

Papa reza última missa na Áustria e critica 'domingo ocidental'
Bento XVI ressaltou a importância do domingo como dia de reflexão. A viagem do pontífice ao país europeu durou três dias.

O Papa Bento XVI celebrou, neste domingo (9), sua última missa em território austríaco, em viagem de três dias pelo país europeu. Na cerimônia, que ocorreu na Catedral de São Estevão, em Viena, Bento XVI criticou a atitude ocidental de considerar o domingo como "fim de semana" e não mais como "dia sagrado".

Ele disse que, embora o tempo livre seja necessário, "se não tiver um centro, que é o encontro com Deus, acaba sendo um tempo perdido".

O pontífice começou a homilia lembrando a frase dos primeiros cristãos: "sem o dia do Senhor, não podemos viver". Bento XVI afirmou que as palavras continuam em vigor, já que o homem precisa de um "centro, uma ordem interna e uma relação com Aquele que sustenta nossa vida". Segundo o Papa, sem isso a vida está vazia, pois o domingo não é só um dia de preceito para os cristãos, mas uma necessidade.

 

 


 

 

 

 

 

Lei Dominical, Sinal da Besta ou Não?

Estive ouvindo um programa de debates no canal Hit Tv. O assunto foi a respeito do Sábado. Não irei relatar aqui tudo o que foi falado neste debate, mas um argumento levantado por um professor batista me deixou inquieto. O argumento usado é que os adventistas ao citarem decreto dominical, argumentam do nada. O professor batista disse que não há evidência bíblica nenhuma para dizer que o domingo é o sinal da besta e que o sábado é o sinal ou selo de Deus. Por esta razão é que dedicarei algumas linhas abaixo para que os queridos internautas venham analisar com cuidado se realmente existe base ou não para dizer que futuramente haverá uma lei dominical e que esta será o sinal da besta.

 

No livro de Apocalipse capítulo 13:16-17 nos diz assim:

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas; Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.” – (Edição Revista e Corrigida)

Precisamos destacar algumas coisas que são importantes nestes versos:

– Haverá uma imposição, uma obrigatoriedade. No início do verso 16 diz assim: “…E faz…”

2º - Essa imposição será para todos, independente de religião, credo, fé, valores, raça, tribo, etc. Na sequência do verso diz assim: “…que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos…”. Todos, especialmente os ligados ao cristianismo não escaparão dessa imposição.

3º - O que será imposto é um sinal. Como o Apocalipse é um livro em grande parte simbólico, cheio de alegorias, é importante buscar respostas dentro da própria Bíblia para compreender o lado literal/real dos símbolos. Entendemos que por motivos muito sábios da parte de Deus, a realidade ficou oculta por trás de simbolos. Antes de passar-mos adiante, primeiramente entenderemos o que significa este sinal que será imposto. Vejamos:

Para entender qual será o sinal da besta, faz-se necessário primeiro entender qual é o sinal de Deus. Entendendo do que se trata o sinal de Deus, com extrema facilidade entenderemos qual seria então o sinal da besta.

Em Ezequiel 20:12 nos é dito: “E também lhes dei os meus Sábados, para que servissem de sinal entre mim e eles; para que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica.”

Leiam novamente e reparem que a Bíblia ensina que o sinal de Deus é o Sábado. Para reforçar leremos também Ezequiel 20:20 que diz:

“E santificai os meus Sábados, e servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou o Senhor vosso Deus.”

Mais uma vez, o texto reforça de maneira absoluta e contudente que o Sábado é um sinal, e este sinal é entre Deus e Seu povo. Este Sinal é o sinal de Deus.

O texto Bíblico de Apocalipse 13:16-17 diz que a besta, que também é simbolizado pelo anticristo, diz que esta besta aparecerá no tempo do fim, e ela terá um sinal, e que este sinal será imposto a todos. Deus tem um sinal e este sinal é o sábado. A Besta terá um sinal, e este sinal será imposto. Sabendo que o sinal de Deus é o sábado, a pergunta que surge é, qual é o sinal da besta?

 

Analisemos com cuidado para descobrir do que se trata o sinal da besta.

 

O sinal de Deus é um dia da semana, portanto o sinal da besta deve estar ligado também a um dia da semana.

O sinal de Deus é o 7º dia ou o útlimo dia da semana. Portanto o sinal da Besta possívelmente seja o contrário, sendo o primeiro dia da semana.

O sinal de Deus é o Sábado. Com todo esse raciocinio fica evidente que o sinal da besta seja o domingo. Que outro dia da semana poderia ser o sinal da besta sem ser o domingo? Que outro dia da semana em nossos dias em meio a cristandade, se opõe diretamente ao sinal de Deus que é o sábado como descrito em Ezequiel 20:12 e 20? Que outro dia é tão defendido abertamente pelos homens ao ponto de substituir o sábado dos 10 mandamentos? Que outro dia da semana é colocado diretamente em conflito contra o sábado? É impossível descrever o sinal da besta de outra forma. Sinal de Deus (Sábado) x sinal da Besta (?).

4º - Em Apocalipse 13:16 ainda nos diz que este sinal da besta será colocado na mão direita ou nas frontes, ou testas.

Mão direita, significa Trabalho, obras. Eclesiastes 9:10 diz : “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra….”. O texto responde com clareza, mãos e obras, trabalhos, estão ligados dentro do mesmo contexto profético.

Se analisarmos friamente dentro do enredo discussivo do cristianismo veremos como estes versos se encaixam perfeitamente. Alguns, apoiados na Bíblia dizem que é no sábado que devemos nos abster de nossos trabalhos, mas alguns ancorados nos homens e não na Bíblia dizem que é no domingo que devemos parar nossas atividades. Vejam que o sinal da besta está ligado a atividade, trabalhos e obras. Descansar ou não, trabalhar ou não neste dias.

O texto de Apocalipse ainda nos ensina que este sinal será colocado nas frontes. Vejamos o que a Bíblia nos ensina sobre este simbolismo: “Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne a lei do pecado.”

Note: “…com o entendimento (Fronte) sirvo à lei de Deus, mas com a carne a lei do pecado (lei dos homens).”

Embora o texto não use a palavra fronte, fica evidente que esta palavra tenha o significado de entendimento, ou decisão. Hoje é evidenciado pela psicologia moderna que o local na mente onde se processa as decisões é justamente na região frontal. É nesta região onde se localiza a testa que são tomadas as decisões. É ali que nasce o resultado do processo do racíocinio, ou seja a decisão. É na fronte onde fica o entendimento, ou seja, o poder de decidir.

O sinal de Deus e da Besta estarão em conflito na mente humana. E receberão o sinal da besta aqueles que rejeitarem o sinal de Deus. Receberão o sinal de Deus aqueles que rejeitarem o sinal da besta. Portanto tudo passará pela mente, mas será eu e vocês que decidiremos (fronte) o que receberemos. Continuar as devidas obras seculares no sábado, rejeitando o sinal de Deus ou continuar as devidas obras seculares no domingo, rejeitando assim o sinal da besta. A decisão estará em nossas mãos, decidir em separar pela fé o Sábado a Deus ou não.

5º - E por último, Apocalipse 13:17. “Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal…”

Aquele que não tiver o sinal da besta, não poderá ter uma vida normal, não poderá ser um cidadão normal, perderá direitos, perderá espaços na sociedade, de compras e vendas, ou seja, de participar ativamente da atividade comercial. Esta será uma maneira de pressionar os que seguem a Bíblia a rejeitar a verdade expressa em sua palavra, de rejeitar o sinal de Deus. De rejeitar a verdade contida em Seus mandamentos. Eles farão de tudo para isolar o povo de Deus de seus direitos comerciais, mas com certeza Deus não deixará seu povo a merce dos inimigos da verdade. Neste tempo haverá pão e água para os féis, e como refugio, suas moradas serão nas montanhas. Isaias 33:16.

Mesmo com toda esta pressão para aderir ao sinal da besta (domingo) como muitos já fazem hoje em dia, satanás, furioso, chegará ao ponto de levar os homens a odiarem de tal maneira o povo que segue um assim diz o Senhor, que trará o desejo de se necessário exterminá-los da face da terra. O texto diz: Apocalipse 13:15 “…e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta;”, logo após o decreto dominical, entrará em cena o decreto de morte. Morte aos fanáticos, é o que dirão.

Muito em breve cenas assim serão visiveis. Não demorará muito, pois muitas coisas semelhantes já acontecem. Todos os que guardam o sábado como é defendido pela Bíblia, são escandalizados, debochados, ridicularizados. Muitas das igrejas evangélicas já consideram o adventismo como inimigos, e nos tratam assim. Eu mesmo, já fui até agredido por palavras por um pastor pentecostal pelo simples fato de ser sabatista. Mal sabem eles que o domingo nasceu com roma, foi instituido por imperadores, bispos e papados. A própria igreja católica reconhece que Jesus não autorizou a mudança do sábado para o domingo, e que a igreja mudou pela sua própria autoridade, o princípio dessa mudança foi na data de 7 de março de 321 d.C. (Ver citações históricas dessas mudanças)

Encerro com o apelo de Sofonias no capítulo 2:1,2 “Congregra-te, sim, congrega-te, ó nação que não tens desejo; antes que saia o decreto, e o dia passe como a pragana; antes que venha sobre vós a ira do Senhor…” Este é o decreto dominical. Quando este decreto for promulgado, simultaneamente cairá sobre este mundo a ira do Senhor. Apocalipse 14:11.

 

Srs. Inimigos da Verdade

 

Estamos centrados num grande conflito entre o bem e o mal. Nos encontramos no ápice dos poderes entre ambos . Os inimigos da verdade se enfileiram um a um contra os que guardam os mandamento de Deus. Tenho recebido e-mails de dezenas de pastores, presbiteros e leigos de várias denominações cristãs protestantes e pentecostais e até de testemunhas de Jeová, discriminando, criticando e usando até de mentiras deslavadas contra os adventistas do Sétimo dia.

Fico absorto a cada manhã que ligo meu computador e baixo meus e-mails. O que encontro? Dezenas de e-mails todos os dias de pessoas diferentes e de religiões diferentes, todas elas com argumentos e mentiras semelhantes. É evidente que todos inconscientemente estão se unindo contra os adventistas do Sétimo dia. Antigamente os protestantes estavam ocupados demais em se virar contra o catolicismo e o espiritismo. Hoje a preocupação e o tempo em que ocupam é em confrontar os adventistas, mesmo que maldosamente.

Um deles até ousou me dizer que vou para o inferno usando da autoridade que somente Deus tem para condenar seres humanos pecadores. Não quero sugerir nomes de pessoas e nem de sites da qual são autores, pois se assim fizesse estaria valorizando suas palavras cheias de veneno mortífero. Quero apenas responder com poucas palavras usando a única fonte de autoridade, a Escritura e um pouco da histórica. Espero que meus inimigos, ao lerem essa matéria, que possam virar suas armas não contra mim mas contra o Espírito Santo que foi o autor dos textos abaixo. Se não aceitarem, sugiro que rasguem ou risquem esses textos de suas bíblias para que não sirvam de empecilhos para suas consciências, sempre que passarem os olhos sobre eles.

Como estamos hoje no tempo do fim. Me prenderei nessa 1º parte de comentário sobre a visão que João teve para o tempo do fim descrito em Apocalipse 14; e 12:17.

A profecia bíblica em Apocalipse 14 ensina que no fim dos tempos haveria dois grupos de pessoas, como se fossem duas religiões apenas. e não só ensina que haveria dois grupos, mas distingue esses grupos um do outro para não deixar-nos a mercê desses ministros da sinagoga de satanás que usam a bíblia para impor suas próprias interpretações e ainda descriminam os que seguem o conselho de Paulo para “…não ir além do que está escrito”. I Cor. 4:6.

Apocalipse 14:9,10 – “Seguiu-os ainda um terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na fronte, ou na mão, também o tal beberá do vinho da ira de Deus, que se acha preparado sem mistura, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.”

“Sinal” - Implica diretamente a um dia da semana. Porque? Porque o Sinal de Deus é um dia da semana, (Ezequiel 20:12:20), Se o sinal de Deus é um dia da semana, isso nos leva a crer sem outra hipótese que o sinal da besta também deva ser um dia da semana, neste caso o domingo, por ser o dia da semana que diretamente confronta o sábado bíblico. Veja que a profecia fala que esse sinal é da besta. A profecia é clara, porque o domingo surgiu através das autoridades católicas nos anos do imperador Constantino, quando este imperador e o estado religioso se uniram para concretizar essa mudança na data de 7 de março de 321 D.C. (Editora abril, edição Novo Conhecer, volume 11 pag. 6 ).

Portanto esses adoradores da besta, que recebem seu sinal estão em pleno desacordo com os mandamentos de Deus que é reivindicado no 4º mandamento, a observância do sábado, e o profeta Ezequiel sustenta esse mandamento com o argumento de que se trata de ser o Sinal entre Deus e o seu povo, (Ezequiel 20:12:20).

 

Portanto vimos claramente uma discordância. Mandamentos dos homens x mandamentos de Deus.

 

Neste mesmo capítulo que o profeta viu aqueles que receberiam o sinal da besta quebrantando os mandamentos de Deus, vê ele também outro grupo que seria contrário a esse primeiro. Um grupo que recebe uma descrição diferente, como sendo os que guardam os mandamentos de Deus, (Apocalipse 14:12.)

Apoc. 14:12 – “Aqui está a perseverança dos santos, daqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.”

Não é curioso a distinção da visão concedida a João?
(Os que adoram a besta x os que adoram a Deus)
(Os que recebem o sinal da besta x os que guardam os mandamentos de Deus)

Veja a maravilhosa declaração de Jesus em Marcos 7:7,8 - “…mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.(8) Vós deixais o mandamento de Deus, e vos apegais à tradição dos homens.

Agora me respondam: Primeiro leiam Exodo 20:8-11, Ezequiel 20:12,20 e lucas 4:16; 23:54,56. Depois de ler esses versículos centrados no velho e no novo testamento, me respondam: Entre o sábado e o domingo, qual desses dois é preceito de homens? Qual desses dois é tradição dos homens? Se disser que é o Sábado sugiro duas coisas:

1º- Que me mande um só versículo que diga explicitamente que o domingo é o dia do Senhor como é dito ao sabado.
2º- Que leia mais os relatos históricos na qual relatam a perseguição que os cristão da idade primitiva sofreram pelo romanos, por que eram confundidos com os judeus assim como são hoje os adventistas. Na verdade a revolta romana era contra os judeus, mas os cristãos do segundo século, como guardavam o sábado, eram confundidos com judeus, e por isso foram perseguidos também. E não poderia deixar de citar a conversão de Constantino ao cristianismo, a paganização completa da igreja católica que se tornou romana e principalmente, por influência desse imperador que era um endeusador do sol, a introdução gradativa do domingo e sua definição 321 anos depois de Cristo como conceito doutrinário para a igreja e para a sociedade. Isso mesmo, somente 321 anos depois é que o domingo virou doutrina na igreja, porque antes os cristãos guardavam o sábado, prova? sim, está logo abaixo com as referências históricas.

. E se vocês tiverem um tempinho, pesquisem também sobre a vida e morte dos valdenses a partir do século XII. Eram perseguido pela igreja e o estado, e segundo alguns historiadores, eles também eram confundidos com os judeus. Assim como os adventistas também são confundidos com os judeus nos dias de hoje. Caso tenham dificuldades de buscar essas fontes para saber se estou usando de mentiras como vocês costumeiramente fazem, para facilitar deixo abaixo algumas preciosas referencias históricas que comprovam tudo o que falei acima e muito mais. Com uma enorme vantagem, essas referências e escritos não são de Ellen White e não são de Membros e pastores adventistas e nem mesmo simpatizantes da igreja. São Historiadores desde os tempos da igreja primitiva até a idade média. Preferi assim para que não venham a dizer que isso é coisa de adventista. Mas por favor, já que aparentam ser muito estudiosos, pesquisem essas citações abaixo confirmando com seus próprios olhos para que também não venham dizer que somos enganadores. Se porventura a preguiça impedir que pesquisem, me peçam que lhes envio o conteúdo das páginas desses livros.

(Mosheins, Ecllesiastical History, Vol 1 pág.171)
(Cunrant, Ministeries Of Mitra. Pág. 167)
Edito de Constantino introduzindo o domingo na igreja cristã – (Original na Biblioteca de Harvard College, Universidade livre de Cambridge) – Fonte em português: Editora Abril Cultural, Edição novo Conhecer, Vol XI, pág. 6 – Escrito logo próximo ao rodapé.
(Hefele, A History of church Councile, V. II, p. 316)
Concílio de Trento ( 18de Janeiro de 1563)
Sócrates em 450 d.C – Escreveu: ( “Pois embora a maioria de todas as igrejas no mundo celebre os ministérios sagrados no sábado, a cada semana, os cristãos de Alexandria e de Roma, devido a algumas tradições antigas, deixaram de fazê-lo.”)
(Fhilip schaff, Histry of the Cristian church, Vol. 3 Pág. 1902.)
(Catholic Encyclopedia, Vol. 4, pág. 153)
Plain Talk About Protestantinsm Today, Pág. 225)
(Catholic Mirror, órgão official do Cardeal Gibbons, de 23/09/1893.)
(Histtorie des Eglises Valdoises, Vol. 2, Págs. 8-10)
(William D. Killen, D.D., The Anciente Church, Prefácio da Atenção Original, Pág. 16.
(Tradução de Rose. Da 1º edição alemã, pág. 186).
(Dialogues on the Lord´s Day, Pág. 189.)
(A Learned Treatise of the Sabbath, pág. 77)
(Christianity Exemplified, Capítulo 26, seção 2, pág. 527)
(Eclesiastical History, livro 5, Capítulo 22, em A Select Library og Nicene and Post-Nicene Fathers, 2º Série, vol. II, Pág. 132)
(Eclesiastical History, livro 7, capítulo 19, em A Select Library of Nicene and Post-Nicene fatheis, 2º série, vol II, pág. 390.)
(O Sábado, pág. 1823 – Por Smith and Cheetham´s Dictionary og Cristian Antiquities).
(Hutton Webster, doutor em filosofia. Obra intitulada “Rest Days”. Pág. 220,221)
(Ver. T.H. Morer, em seu livro Six Dialogues on the Lord´s Day, pág. 22,23)
(Ad Nationes, livro 1, capitulo 13, em The Ante-Nicene Fathers, vol III, Pág. 123.)
(Codex Justinianus, liv.3, tit. 12 e 13; traduzido em Philip Schaff, D.D., History og the Christian Church. Volume 7 da edição, 1902, vol III pág. 380.)
(Decline and fall of the Romam Empire. Por Edward Gibon, capítulo 20, pag. 3.)
(Encyclopaedia Britannica, 11º ed. Art. O domingo.)
(Chambers´Encyclopaedia, Ed. De 1882, vol. VIII, pág. 401, art. “O sábado”.)
(H. Webster, Rest Days, págs. 122 e 123.)
(The Law of Sunday, pág. 265-267)
(Church history, fifth Period, vol. VI, pág. 591.)
(Robert cox, Literature of the Sabbath Question, vol. I, pág. 361.)

 

Voltando ao texto bíblico:

O profeta viu, que antes do regresso de Jesus, haveria dois grupos. O grupo dos que guardariam os mandamentos dos homens através da fidelidade ao sinal da besta (domingo), e o grupo dos que guardam os mandamentos de Deus. Isto é muito claro, extremamente cristalino, só não enxerga os que são como os fariseus, que vendo a verdade diante dos seus próprios olhos (Jesus) o rejeitaram dizendo que se tratava de um homem que falava por belzebu.

E ainda dizem por ai que nós adventistas somos exclusivistas. Fazer a vontade de Deus é ser exclusivista? Se for, prefiro ser chamado assim.
Dizem também que somos nós é que guardamos mandamentos dos homens. Nós? Só quero-lhes lembrar que pela palavra de Deus, o sinal da besta não é o Sábado. O sinal da besta não é outro dia a não ser o domingo. Porque? Porque é o único dia da semana que confronta diretamente e abertamente o sinal de Deus em nossos dias.

Os inimigos da verdade, bem que gostariam que este capítulo não existisse.

Mas o versículo bíblico que descreve com mais clareza o confronto final entre os ímpios e os santos não é outro se não o de Apocalipse 12:17. Este é o principal versículo que fornece com mais clareza este conflito e a distância doutrinária existente entre ambos. Este é o contexto do que foi apresentado acima na distinção dos que guardam os mandamentos de Deus x os que recebem o sinal da besta.

Apocalipse 12:17 – “E o dragão irou-se contra a mulher (Igreja), e foi fazer guerra aos demais filhos dela (povo de Deus), os que guardam (Obedecem) os mandamentos de Deus, (Descritos em Exodo 20) e mantêm o testemunho de Jesus.

Esta é a diferença dada pela Bíblia e não pelos adventistas. Seguimos um “Assim diz o Senhor” E isso não é fanatismo. Que fiquem irados contra a mensagem e não contra os mensageiros.

Fonte: Gilberto Theiss

 

 

 

 

Proposta para descanso ao domingo em Israel avança com apoio do Primeiro-ministro

 
'O Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deu a sua aprovação tácita para experimentar a proposta do Vice-primeiro-ministro Silvan Shalom para tornar o domingo um dia sem trabalho e escola, fontes próximas de Shalom confirmaram esta quarta-feira.

Shalom tem vindo a insistir há anos na sua proposta para umasemana de trabalho mais curta, mas até há pouco tempo parecia que um comité nomeado por Netanyahu iria bloquear a iniciativa. Uma trégua política entre Netanyahu e Shalom durante o último mês deu nova vida à proposta.

O Primeiro-ministro e Shalom discutiram a ideia num encontro a 2 de setembro. As suas equipascontinuaram o debate desde então e fizeram progressos.

Representantes do comité, liderados pelo Diretor do Conselho Económico Nacional, Prof. Eugene Kandel, discutiram com os conselheiros de Shalom maneiras de testar a iniciativa, e devem encontrar-se novamente já na quinta-feira.

Uma possibilidade é estabelecer um domingo de descanso por mês. Mas os parceiros de Shalom disseram que tal projeto piloto é apenas uma forma de testar a iniciativa e implementá-la por fases.

Tais testes e fases são vistas como cruciais para obtenção da aprovação pelas organizações económicas e entidades que se opõem ao encurtamento da semana de trabalho.

Uma fonte próxima de Kandel disse que o comité publicaria as suas conclusões imediatamente após o fim das festas judaicas, no próximo mês. Disse que Netanyahu não emitiria a sua opinião sobre o assunto antes de estudar as conclusões.

Estou feliz por qualquer progresso no sentido de implementar a minha iniciativa para um fim-de-semana mais longo aos Sábados e domingos em Israel”, disse Shalom. “Este é outro passo que eventualmente permitirá implementar plenamente a proposta”. Fonte: The Jerusalem Post, notícia publicada a 19 de setembro de 2012 (negritos meus para destaque)
 

 
Nota: outra evidência da crescente relevância que o descanso ao domingo está a ter pelo mundo fora. Neste caso, é mais significativo ainda, pois falamos da mais importante nação sabática do mundo!
 
Fonte: O Tempo Final

 
 

"Troika" sugere aumento de semana de trabalho para seis dias à Grécia

 

 

'A "troika" internacional que supervisiona a economia grega sugeriu ao Governo de Atenas a flexibilização as relações laborais através de diversas medidas, onde se inclui o aumento da semana de trabalho de cinco para seis dias.

A informação está inserida numa mensagem de correio eletrónico enviado por representantes da "troika" -Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional - aos ministérios gregos das Finanças e do Trabalho, e que foi divulgado esta segunda-feira pelo diário económico "Imerisia".

A autenticidade do e-mail e do seu conteúdo foi confirmada à agência noticiosa Efe por uma fonte do ministério das Finanças, que não revelou mais detalhes.

Entre as propostas mais polémicas incluiu-se o aumento da semana laboral para seis diase a redução para 11 horas do descanso mínimo entre turnos de trabalho, para além daeliminação das restrições às trocas dos turnos da manhã e de tarde, de acordo com as necessidades do empregador, precisa o diário "Imerisia".

A "troika" de credores internacionais exige ainda a redução para metade da indemnização por despedimento e do prazo de que dispõe o empresário para notificar a rescisão do contrato.

Pretende ainda que seja diminuída a contribuição das empresas para o Fundo de Segurança Social, apesar da crescente diminuição das receitas do Estado neste setor.

"Não são propostas novas, a 'troika' leva sempre algum tempo a formulá-las. Mas de momento são apenas propostas, não significa que sejam aceites pelo Governo grego", disse à Efe uma fonte ministerial.

A taxa de desemprego na Grécia situou-se em maio nos 23,1% (54,9% entre os menores de 25 anos) e o poder de compra dos trabalhadores recuou para o nível registado há três décadas, de acordo com os estudos dos sindicatos.

Em declarações à agência noticiosa AP, Savvas Rombolis, responsável da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos (GSEE, que abrange o setor privado), admitiu que o desemprego no país atingirá 29% em 2013 caso o Governo aplique as novas medidas de austeridade exigidas pela "troika" e que implicam novos cortes avaliados em 11,5 mil milhões de euros em 2012-1013.

"A economia grega continua a decair. Em 2012, esperamos uma queda de sete por cento no PIB. Isso vai originar uma taxa de desemprego de 24%, 1,2 milhões de pessoas", alertou.

Os inspetores dos credores internacionais encontram-se em Atenas desde a semana passada, e na sexta-feira são separados os chefes da missão para negociar com o executivo de coligação de Antonis Samaras o novo plano de cortes orçamentais.

A aprovação das novas medidas, que estão a ser discutidas pelo Governo, éconsiderada decisiva para a concessão de uma nova fatia de 31 mil milhões de euros, provenientes do segundo memorando de entendimento negociado com Atenas em fevereiro passado.' Fonte: Jornal de Notícias (negritos meus para destaque)

Nota O Tempo Final:
 algo me diz que, caso o governo grego aceite a sugestão, não será o domingo o dia adicionado à semana de trabalho...
 

Movimento dominical em BH

 

 
 
 
 
 
 
Nota DDP: Veja também "Clientes veem proibição de abertura de supermercados aos domingos como retrocesso". Destaque:

O domingo é apontado como o segundo dia no ranking de compras em supermercados, segundo a Associação Mineira de Supermercados (Amis), atrás do sábado.
...
Ele afirma ser totalmente favorável ao projeto de lei e acredita que o cliente se adaptaria facilmente a obrigatoriedade de fazer compras de segunda-feira a sábado.

Faz sentido que seja suprimido o segundo maior dia de consumo, não o primeiro? Obrigatoriedade? Há alguma dificuldade em perceber que a controvérsia se estabelece com relativa facilidade?  

(Via @CleoCastro)
 

Supermercados podem ser proibidos de abrir domingo

 
Audiência pública discutirá o assunto na segunda-feira [27/08], na Câmara Municipal 

 
Os supermercados de Belo Horizonte podem ser proibidos de funcionar aos domingos caso o Projeto de Lei nº 2349, do vereador Leo Burguês, seja aprovado pela Câmara Municipal. A ideia é que apenas pequenos comércios alimentícios, como sacolões e açougues com até dois caixas, tenham autorização para funcionar. O projeto não afeta o comércio em geral. 

O autor do projeto explica que se baseou em um abaixo-assinado com mais de 20 mil nomes de funcionários e seus familiares que pediam o fechamento dos supermercados aos domingos. Segundo ele, as principais alegações são a necessidade de passar o dia de folga com a família e questões religiosas. "Os trabalhadores dizem que eles têm folga no meio da semana, quando a família não está reunida", explica Burguês. 

O Sindicato dos Comerciários, que também representa os trabalhadores dos supermercados, apoia a ideia. De acordo com o diretor de relações sindicais da entidade, Edilson de Souza, a folga aos domingos é reivindicação antiga da categoria. "Estamos batendo palmas para este projeto. O empregado fica cansado, estressado, trabalhando aos domingos. Nem a folga no meio da semana compensa", diz. 

Ele afirma que a categoria pode negociar algumas exceções, como a abertura das lojas nos domingos que antecedem datas comemorativas, por exemplo. 

Os supermercados não foram consultados pelo vereador para a elaboração do projeto. Ontem, a Associação Mineira de Supermercados (Amis) foi procurada pela reportagem, mas não se manifestou. 

Na próxima segunda-feira haverá uma audiência pública na Câmara para discutir o assunto. Foram convidados representantes dos trabalhadores, dos consumidores, dos supermercados e do Ministério Público do Trabalho. 

O projeto foi apresentado anteontem na Câmara e deve ir a plenário já em setembro, de acordo com Léo Burguês. 

Hábito. O vereador reconhece que o domingo é um dos dias de maior movimento nos supermercados, mas acredita que a população pode mudar este hábito e fazer compras em outros dias da semana. 

Ele diz que, aos domingos, parte do faturamento que era dos supermercados pode migrar para os pequenos comércios de alimentos, que poderão funcionar. 

Fonte: o Tempo
 

Domingo é um dia de descanso para Obama e Romney

 

O presidente Barack Obama e seu adversário republicano Mitt Romney passaram um domingo tranquilo assistindo à igreja com suas famílias, descansando para as 11 semanas finais da campanha. Enquanto os Romneys aproveitaram um belo sol em New Hampshire e os Obamas enfrentaram chuva em Washington, os dois candidatos enviaram seus principais conselheiros para participar dos programas de entrevista na Tv...

Fonte: Washington Post 

NOTA Minuto Profético:
 Chama a atenção a maneira direta e explícita com que o Washington Post decidiu veicular essa notícia relacionando-a com o descanso dominical. Com certeza a notícia poderia ser dada de várias outras formas. Por que escolheram justamente essa? E por que ela surge há exatamente 11 semanas da eleição? Chega até soar profético o título...
 

CNBB enfatiza “santidade” do domingo

 
No penúltimo dia da Semana Nacional da Família, sexta, 17, a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), divulgou um texto redigido a partir das Catequeses preparatórias ao 7º Encontro Mundial das Famílias. A mensagem trata da família e a festa e aborda a importância da festividade no ambiente familiar, para união e celebração entre seus membros. O objetivo do texto é ser mais um instrumento de reflexão, sobre a família, entre as comunidades da Igreja.

O ser humano moderno criou o tempo livre e perdeu o sentido da festa. É necessário recuperar o sentido da festa, e de modo particular do domingo, como “um tempo para ser humano”, aliás, “um tempo para a família”. Voltar a encontrar o centro da festa é decisivo também para humanizar o trabalho, para lhe atribuir um significado que não o reduza a ser uma resposta às necessidades, mas que o abra ao relacionamento e à partilha: com a comunidade, com o próximo e com Deus.

Atualmente, a festa como “tempo livre” é vivida no contexto do “fim de semana”. Em vez do descanso e da santificação privilegia-se a diversão, a fuga das cidades, e isto influi sobre a família, principalmente se tem filhos adolescentes e jovens. Os membros da família têm dificuldade de encontrar um momento de relacionamento familiar. O domingo perde a sua dimensão de dia do Senhor e é vivido mais como um tempo “individual” do que como um espaço “comum”.

O tempo livre no domingo torna-se com frequência um dia “móvel” e corre o risco de não ser mais um dia “fixo”, dificultando o encontro familiar. As pessoas não descansam somente para voltar ao trabalho, mas para fazer festa. É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca, criando a atmosfera familiar, sobretudo quando os filhos são pequenos. As realidades vividas nos primeiros anos na família de origem permanece inscrita para sempre na memória do ser humano. Também os gestos da fé, no dia do domingo e nas festividades anuais, marcam a vida da família, sobretudo no encontro com o mistério santo de Deus e contribui para reforçar os relacionamentos familiares. [...]

O dies Domini (dia de Deus) deve se tornar, inclusive, um dies hominis (dia do homem). Se a família se aproximar deste modo da festa, poderá vivê-la como o “dia do Senhor”.

Para experimentar a “presença” do Senhor ressuscitado, a família é exortada aos domingos em especial a deixar-se iluminar pela Eucaristia. A missa torna-se a celebração central, viva e pulsante do dia do Senhor, da sua presença de Ressuscitado aqui e agora. A eucaristia concede-nos a graça de celebrarmos o mistério santo de que vem ao nosso encontro. No domingo, a família encontra o sentido e a razão da semana que se inicia. [...]

Desde crianças, os filhos têm o direito de serem educados para a escuta da palavra, para descobrir o domingo como “dia do Senhor“. A memória do Crucificado Ressuscitado marca a diferença do domingo em relação ao tempo livre: se não nos encontrarmos com Ele, a festa não se realiza, a comunhão é apenas um sentimento e a caridade se reduz a um gesto de solidariedade, que não constrói a comunidade cristã e não educa para a missão. A eucaristia do domingo enquanto nos introduz no coração de Deus, faz a família, e a família, na comunidade cristã, faz de um certo modo a Eucaristia. [...]

(Rádio Vaticano

Nota Criacionismo: Praticamente todos os argumentos para a guarda do domingo são válidos – fortalecimento das famílias, recuperação da Terra, cura do consumismo, etc. –, o que está errado é o dia escolhido para isso. O verdadeiro dia de repouso, dia da família, memorial da criação foi escolhido por Deus e é o sétimo dia da semana, o santo sábado. E o sábado é santo porque Deus descansou nesse dia (deu exemplo), abençoando-o e santificando-o (Gn 2:2, 3). Jesus também guardou o sábado (Lc 4:16), no que foi seguido por Sua mãe e Seus discípulos, incluindo o apóstolo Paulo. Domingo é um dia comum de trabalho e atividades seculares; é o primeiro dia da semana e, de forma alguma, foi separado para comemorar a ressurreição. Deus não mudaria Seus mandamentos escritos em pedra, vigorantes desde sempre e para sempre (o sábado será guardado inclusive na Nova Terra – Is 66:22, 23). O problema é que aqueles que escolherem ser fieis à Palavra de Deus em detrimento de tradições humanas serão vistos como inimigos da maioria, “fundamentalistas” que não querem salvar a Terra e promover os valores da família. A confusão será estabelecida e essa minoria será cada vez mais hostilizada por sua fidelidade à Lei de Deus. 

Assista: “Decreto dominical a caminho”
 

Bispo defende «valorização do Domingo» para contrariar crise espiritual

 
Viseu, 08 jun 2012 (Ecclesia) – O bispo de Viseu diz que só a revitalização da vivência cristã e particularmente do Domingo, ponto alto da relação com Deus e o próximo, poderá contrariar a crise espiritual que atinge atualmente Portugal e a Europa.

 
Para D. Ilídio Leandro, “os resultados dos inquéritos feitos nos últimos tempos”, que apontam para um “decréscimo acentuado da relação com a prática cristã”, devem suscitar na Igreja Católica um esforço renovado de evangelização, que permita antes de mais a “valorização do Domingo” como “dia do Senhor” e ocasião de “festa” comunitária e de “família”.

 
O prelado deixou este alerta durante a celebração da solenidade do Corpo de Deus, esta quinta-feira em Viseu, numa homilia transmitida aos fiéis e enviada à Agência ECCLESIA.

 
Segundo aquele responsável, a primeira condição para transformar o Domingo numa referência cristã, no meio da sociedade, é fazer daquele dia um tempo privilegiado de “fé” e de “celebração comunitária”, através da participação na “eucaristia”.

 
“O Domingo cristão não quer nem pode ser o parente pobre do fim-de-semana”, apontou o bispo de Viseu, que neste tempo litúrgico do Corpo de Deus convidou os católicos a refletirem sobre a qualidade da “resposta” que é dada hoje ao desafio que Cristo deixou a todos os homens, com a sua entrega na Cruz.

 
O que temos feito da Páscoa de Jesus, transmitida pela Igreja e celebrada, cada Domingo, na Eucaristia? Como temos vivido e cumprido a nova Aliança, que Jesus celebra e renova connosco, sempre que participamos na Sua Páscoa?”, questionou D. Ilídio Leandro.

 
Reforçando as palavras que Bento XVI dedicou ao último Encontro Mundial das Famílias, que decorreu no início deste mês em Milão, o vogal da Comissão Episcopal do Laicado e Família sublinhou a urgência de “não ocupar o Domingo com atividades que mudem o seu sentido e o seu centro”.

 
Para além da importância de salvaguardar “o tempo em família”, hoje ameaçado “por uma predominância de compromissos devidos ao trabalho” - como salientou o Papa - o bispo viseense chamou a atenção para o perigo de um calendário sobrecarregado de atividades educativas, recreativas, culturais ou desportivas que, por vezes, pode dificultar o aproveitamento mais adequado dos “diversos ritmos e desafios da vida”.

 
“Importa ajudar e não impedir a que as crianças, adolescentes, jovens e adultos possam viver os seus compromissos familiares, sociais e cristãos, de modo a que o importante ditado ‘alma sã em corpo são’ não seja invertido ou pervertido, esquecendo a alma com a atenção única ao corpo”, concluiu.
...

 
Nota DDP: Sobre os vínculos claramente observados no texto retro, notadamente no que se refere à eucaristia, que obviamente têm intenções bem definidas, recomenda-se também a leitura de "Bento XVI: Eucaristia é o coração do mundo", "Congresso desafia católicos portugueses a entender que ir à missa é mais do que uma obrigação" e "Bento XVI: Não há futuro para a humanidade sem a família", de onde finalmente se destaca:

 
"Aqui queria recordar o que disse em defesa do tempo para a família, ameaçado por uma espécie de ‘prepotência’ dos compromissos de trabalho: o domingo, o dia do Senhor e do homem, é um dia no qual todos devem ser livres, livres para a família e livres para Deus. Defendendo o domingo, defende-se a liberdade do homem!"

 
Como se percebe, os temas domingo, família, eucaristia e espiritualidade, além das crises social, política, econômica e ambiental estão sendo todos entrelaçados pela igreja de Roma, de forma que, em algum momento, dado o caos que está se estabelecendo em vários segmentos, encontrarão eco fora do âmbito estritamente religioso, com o apoio do braço político, como antecipado pela profecia bíblica.
 

Família tem de ser defendida da sobrecarga laboral e domingo deve ser dia livre, sublinha Papa

 
«É possível, ainda que com esforço, viver o amor fiel, para sempre, aberto à vida», afirmou Bento XVI

Cidade do Vaticano, 06 jun 2012 (Ecclesia) – O Papa afirmou hoje no Vaticano que as famílias têm de ser defendidas da sobrecarga laboral e que o domingo deve ser reservado ao convívio familiar e a Deus.

É preciso preservar o tempo em família, ameaçada por uma predominância de compromissos devidos ao trabalho”, sublinhou Bento XVI na audiência geral realizada perante milhares de fiéis na Praça de São Pedro.

No discurso, enviado à Agência ECCLESIA, o Papa frisou que o domingo “deve ser livre para a família e livre para Deus”, e nas saudações que proferiu em vários idiomas disse que reza para que “o amor conjugal, a paternidade e a maternidade sejam percursos para a santidade”.

A intervenção de Bento XVI recordou os principais momentos da sua participação no 7.º Encontro Mundial das Famílias, que decorreu entre quarta-feira e domingo na cidade italiana de Milão.

O encontro que o Papa classificou de “inesquecível” constituiu “um inspirado testemunho da rica e variedade identidade da família como comunhão de amor baseado no casamento, um santuário de vida, uma igreja doméstica e célula primária da sociedade”, afirmou.

“Família, trabalho e festa”, tema das Jornadas, “devem encontrar um equilíbrio harmonioso para construir sociedades de rosto humano”, sustentou Bento XVI, salientando que “é possível, ainda que com esforço, viver o amor fiel, ‘para sempre’, aberto à vida”.

Na sexta-feira, primeiro dia da visita à cidade e arquidiocese milanesa, que nunca tinha visitado enquanto Papa, Bento XVI lembrou que a família é o espaço onde as pessoas fazem a “primeira experiência” de não viverem “fechados em si mesmas, mas na relação com os outros”.

Na missa de domingo, em que segundo as autoridades participaram um milhão de pessoas, o Papa acentuou a importância de cada família “evangelizar não só com a palavra, mas pela vivência do amor, a única força capaz de mudar o mundo”.

“Desça a minha bênção sobre vós, vossas famílias e comunidades ao serviço do menor, dos mais pequeninos e necessitados”, disse Bento XVI em português ao saudar os peregrinos lusófonos.

A audiência semanal terminou com um convite aos fiéis de Roma para participar na procissão do Corpo de Deus que esta quinta-feira vai percorrer as artérias da capital italiana entre as igrejas de São João de Latrão, onde o Papa celebra missa a partir das 18h00 de Lisboa, e de Santa Maria Maior.

“Convido os fiéis de Roma e os peregrinos a unirem-se neste ato de profunda fé na Eucaristia, que constitui o tesouro mais precioso da Igreja e da humanidade”, declarou.

Fonte - Ecclesia

Nota DDP: Dado o número de crises que a humanidade enfrenta, muitas delas se tornando absolutamente insuportáveis, torna-se cada vez mais factível a adoção do discurso papal sobre a necessidade de proteção do domingo, o que desencadeará todos os eventos finais antecipados pela Bíblia.
 

"Família, trabalho, festa: três dons de Deus, que se devem encontrar num equilíbrio harmonioso"

 
Milão (RV) – Famílias provenientes de todo o mundo reuniram-se nesta manhã de domingo com o Santo Padre para participar, na Solenidade da Santíssima Trindade, da Santa Missa no Parque de Bresso, em Milão, por ocasião do VII Encontro Mundial das Famílias. Mais de um milhão de fiéis rezaram com o Pontífice pelas famílias de todo o mundo.
...

Depois Bento XVI se deteve sobre o trabalho: “Vemos que, nas teorias econômicas modernas, prevalece muitas vezes uma concepção utilitarista do trabalho, da produção e do mercado. Mas, o projeto de Deus e a própria experiência mostram que não é a lógica unilateral do que me é útil e do maior lucro que pode concorrer para um desenvolvimento harmonioso, o bem da família e para construir uma sociedade justa, porque traz consigo uma competição exasperada, fortes desigualdades, degradação do meio ambiente, corrida ao consumo, mal-estar nas famílias. Antes, a mentalidade utilitarista tende a estender-se também às relações interpessoais e familiares, reduzindo-as a convergências precárias de interesses individuais e minando a solidez do tecido social”.

O Santo Padre destacou ainda que o “homem, enquanto imagem de Deus, é chamado também ao repouso e à festa”. O domingo, dia do Senhor – reafirmou – é também o “dia do homem e dos seus valores: convivência, amizade, solidariedade, cultura, contacto com a natureza, jogo, esporte. É o dia da família, em que se há-de viver, juntos, o sentido da festa, do encontro, da partilha, também com a participação na Santa Missa. Queridas famílias, mesmo nos ritmos acelerados do nosso tempo, não percais o sentido do dia do Senhor! É como o oásis onde parar para saborear a alegria do encontro e saciar a nossa sede de Deus”
...
Fonte - Radio Vaticano 

Nota DDP: Veja também "Papa quer convencer políticos do 'capital social' da família". Destaque:

O papa Bento XVI, cercado em Milão por milhares de fiéis de 154 países, convocou os poderes públicos a proteger e ajudar a família, que é um imenso "capital social", em nome da coesão social.

Se BXVI pretende a proteção da família pelo Estado e o domingo protege a família, é razoável se perceber que o pano de fundo é a intenção de que se 'proteja' o dia de descanso em primeiro lugar.

 
 

Vaticano e ONU promovem a guarda do domingo

 
Bento XVI apelou hoje no Vaticano ao respeito pelo domingo como “dia de descanso”, pedindo atenção às necessidades das famílias na sua relação com o mundo do trabalho. O Papa falava perante milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, para a audiência pública desta semana, evocando a celebração, esta terça-feira [15], do Dia Internacional das Famílias, promovida pela ONU e dedicada este ano ao “equilíbrio entre duas questões estreitamente ligadas: a família e o trabalho”…

Bento XVI pediu, neste contexto, que “o domingo, dia do Senhor e Páscoa da semana, seja dia de descanso e ocasião para reforçar os laços familiares”…

Fonte: Ecclesia via Adventismo em Foco

NOTA: Como bem lembrou o Diário da Profecia, o VII Encontro Mundial de Famílias promovido pelo Vaticano que acontecerá entre os dias 30 de maio e 3 de junho próximo, em Milão, tem como tema: “A família, o trabalho e a festa”. Sobre o tema, Bento XVI afirmou ser “necessário promover uma reflexão e um compromisso para conciliar as exigências e os tempos do trabalho com os da família e recuperar o verdadeiro sentido da festa, especialmente do domingo, páscoa semanal, dia do Senhor e dia do homem, dia da família, da comunidade e da solidariedade”.

Enquanto isso a ONU

“Evocando o tema do próximo Encontro Mundial das Famílias, ‘A família, o trabalho e a festa’, Ban Ki-Moon destaca a necessidade do equilíbrio trabalho-família, ou seja, de ajudar os trabalhadores a sustentaram financeira e emocionalmente suas famílias, contribuindo, ao mesmo tempo, com o desenvolvimento sócio-econômico”.

A crise final deste mundo está às portas, onde todos serão chamados a decidir: adorar a besta e a sua imagem (guardando o domingo – dia do sol), ou adorar o Deus Criador (guardando o sábado do sétimo dia – sinal entre Deus e Seu povo)…

 
 

Vaticano: Papa pede respeito pelo descanso dominical

 
Bento XVI sublinha necessidade de «equilíbrio» no mundo laboral para ajudar famílias


Cidade do Vaticano, 16 mai 2012 (Ecclesia) – Bento XVI apelou hoje no Vaticano ao respeito pelo domingo como “dia de descanso”, pedindo atenção às necessidades das famílias na sua relação com o mundo do trabalho. 

O Papa falava perante milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, para a audiência pública desta semana, evocando a celebração, esta terça-feira, do Dia Internacional das Famílias, promovida pela ONU e dedicada este ano ao “equilíbrio entre duas questões estreitamente ligadas: a família e o trabalho”. 

“Este último não deveria colocar obstáculos à família, mas, pelo contrário, sustentá-la e uni-la, ajudá-la à abrir-se à vida e a entrar em relação com a sociedade e com a Igreja”, disse. 

Bento XVI pediu, neste contexto, que “o domingo, dia do Senhor e Páscoa da semana, seja dia de descanso e ocasião para reforçar os laços familiares”. ...

 

 
Fonte - Ecclesia 

Nota DDP: Não por mera coincidência, o que evidencia o entrelaçamento do braço religioso com o político, noticia a Radio Vaticano que "ONU pede condições de trabalho favoráveis às famílias", de onde se pode destacar:

"Evocando o tema do próximo Encontro Mundial das Famílias, “A família, o trabalho e a festa”, Ban destaca a necessidade do equilíbrio trabalho-família, ou seja, de ajudar os trabalhadores a sustentaram financeira e emocionalmente suas famílias, contribuindo, ao mesmo tempo, com o desenvolvimento sócio-econômico."

Mais do que isso, pode ainda ser aproveitado no contexto, o severo quadro de crise econômica vivido pela Europa, trazendo para o debate político e religioso, também o vetor econômico, como a mesma Radio Vaticano noticia em "Caritas preocupada com a situação na Europa".

Ainda sobre o destaque do representante da ONU sobre “A família, o trabalho e a festa” lembramos as considerações de BXVI sobre o evento programado para iniciar-se em 29 de Maio próximo:

"Por isso –continua–, é necessário promover uma reflexão e um compromisso para conciliar as exigências e os tempos do trabalho com os da família e a recuperar o verdadeiro sentido da festa, especialmente do domingo, páscoa semanal, dia do Senhor e dia do homem, dia da família, da comunidade e da solidariedade".

Alguma dúvida sobre o que o braço político (ONU), está a promover do braço religioso (Vaticano)?

Maranata.



Fonte: Diário da Profecia

 
 

Pastor evangélico convoca todos a guardarem o domingo

 
As disciplinas espirituais são hábitos que mantemos os quais nos conectam a Deus. Eles vêm da convicção judaica das formas de ação e revelam o que, em última análise, acreditamos. Nossa fé pode ir e vir, mas nossas ações não devem nunca abdicar. Isso pode ser verdade para as pessoas de todos os tipos de fé.

Nós dançamos em harmonia com Deus quando guardamos o shabbath. A razão pela qual somos chamados a ter um dia de descanso é simples. Os seres humanos temos a tendência de esquecer que não criamos o mundo e, portanto, que o mundo não depende de nós. 

Barbara Brown Taylor conta uma história sobre um amigo, David, que cresceu em Atlanta e o que ele lhe ensinou sobre a fidelidade a Deus: 

Quando eu era aluna do primeiro colegial, meu namorado Herb jogou no time de basquete do colégio. No entanto, ele não era o melhor jogador. O jogador estrela era um garoto chamado David, que marcou tantos pontos durante sua carreira de quatro anos que o treinador aposentou sua camisa quando ele se formou. Isto teria sido notável em quaisquer circunstâncias, mas foi duplamente notável pelo fato de David não jogar nas noites de sexta-feira. 

Nas noites de sexta-feira, David observava o shabbath com o resto de sua família, que generosamente se retiravam quando os amigos de David não judeus chegavam em casa, suados e derrotados, após os jogos de sexta à noite. Após cada jogo da noite de sexta-feira, os amigos de Davi chegavam à sua casa para descrever o jogo em detalhes. 

"Jogada por jogada" os amigos não judeus eram autorizados a falar e criar mundos na sala de estar de David. Alguém na sala perguntou a David se ele ficava incomodado de ficar sentado em casa, enquanto sua equipe "estava sendo derrotada no ginásio do ensino médio." 

"Ninguém me obriga a fazer isso", respondeu ele. "Eu sou judeu, e judeus observam o shabbath." 

Seis dias por semana, disse ele, amava jogar basquete mais do que qualquer coisa e alegremente dava tudo de si para o jogo. No sétimo dia, ele amava ser judeu mais do que gostava de jogar basquete e, alegremente, dava tudo de si para o shabbath. 

Claro, ele sentiu um tranco, mas este era o ponto. O shabbath era sua chance de lembrar o que era realmente real. Uma vez que três estrelas eram visíveis no céu à noite de sexta-feira, sua identidade como judeu era mais real para ele do que sua identidade como a estrela do nosso time de basquete." 

É essencial para os cristãos criar espaços regulares e intencionais de tempo em que não trabalhem, nem e-mail, fax, limpeza, ou cuidados na lavanderia. Um tempo em que nós permitimos que nossos corações se acalmem e as vozes silenciem. O shabbath é um tempo quando lembramos que Deus fez o mundo e descansou, que Ele nos chama para descansar com ele, ouvir a sua voz, e estar ciente de sua presença. 

E é um momento para recordar, de acordo com o ensino do Antigo Testamento hebraico sobre o shabbath e o Jubileu, que haverá um dia em que todos os povos do mundo descansarão, não apenas aqueles que podem arcar financeiramente para tirar um dia de folga. 

A observância do shabbath nos lembra que somos peregrinos em uma terra estrangeira, esperando o mundo se tornar o que o mundo era para ser. Nós recordamos vividamente que, embora Deus tenha criado o mundo, o mundo não está da maneira que Deus o fez. 

Quando guardamos o shabbath, proclamamos para o resto do mundo que Deus está no negócio de fazer novas coisas. Deus precisa de uma maneira para nos lembrar que não estamos mais no Egito, empilhando tijolos para o Império. Se as ocupações e a idolatria infestam nossa vida coletiva, o shabbath é um meio pelo qual podemos nos tornar mais como a pessoa que Deus nos criou para ser. 

Nos últimos anos, tenho trabalhado rigorosamente para manter um shabbath inteiro na minha agenda semanal. Nem sempre tem sido fácil. Mortes, nascimentos, tragédias, milagres e deveres mundanos da vida mostram pouca consideração para com o meu desejo pessoal de descansar. 

Lentamente, ao longo do tempo, quando essas coisas acontecem no shabbath, eu sou tentado a pegar e resolver tudo. Às vezes, quando as circunstâncias exigem, eu tenho que me envolver. Na maioria das vezes, no entanto, guardando o shabbath me convenço que o mundo pode correr bem sem mim. Eu vejo um papel claro para mim na história divina. Eu sou importante nesta narrativa, mas eu não sou o ponto principal, ou o personagem principal. O shabbath me ensina isso. 

Inteiro. Descansado. Ouvindo. Atento. Purificado. 

Isto é que é o shabbath. Ele cria o espaço em nossas vidas para lembrarmos quem somos. Para lembrar que somos jogadores em uma história diferente. 

Os americanos trabalham duro. Talvez muito duro. 

Este é um convite aos judeus, hindus, muçulmanos, ateus, agnósticos, budistas e cristãos. 

Um dia por semana. Descanse. Pelo amor de Deus. 

Dr. Josh Graves 

(Pastor da Otter Creek Church)

Fonte: Fox News


NOTA Minuto Profético: A intenção do texto está bem clara: que todos, não importando a profissão religiosa, guardem o domingo! Na cultura norte-americana, a palavra shabbath já significa domingo. Para que ninguém ficasse em dúvida, o título do texto deixou bem claro! Quem deve estar pulando de alegria com isso é a Santa Sé, que mudou, sem autorização das Escrituras, o dia de guarda do sétimo dia para o primeiro dia da semana, e tornou o domingo seu sinal de poder. Todas as pessoas do mundo serão convocadas a dobrar seus joelhos diante deste ídolo (domingo) conforme revelado em Apocalipse 13:15-17. O mistério da iniquidade está quase atingindo seu clímax. A mensagem das Escrituras, porém, é clara: "Adorai aquele que fez o céu a terra, o mar e as fontes das águas" (Ap 14:7) - verdade essa que faz alusão ao quarto mandamento, o único que traz o nome do Criador! (Ex 20:8-11). De que lado você vai ficar?

 
 

Regulamentações, Desespero e o Estado

 
A vida, por si só, já é difícil. Para muitas pessoas, no entanto, o governo consegue piorá-la ainda mais. Lembro-me dos velhos dias da era soviética, os quais para mim tipificam perfeitamente o que significa viver em uma sociedade sob total controle do estado. O governo criou uma revista chamada Vida Soviética, a qual era repleta de fotos de pessoas felizes e saudáveis vivendo vidas ativas e gratificantes. O contraste com a realidade não tinha como ser mais extremo. Emigrantes contavam histórias de uma população desmoralizada buscando refúgio no álcool, nas drogas e no suicídio – qualquer coisa servia para fugir da tóxica combinação entre padrão de vida em queda acentuada e a ausência de liberdade de escolha devido ao despotismo. Hoje, todos sabemos que as propagandas do governo soviético eram uma mentira. No entanto, aparentemente ainda não nos demos conta de que essa tragédia humana não é exclusividade de uma sociedade totalmente socializada. Qualquer nação pode chegar a essa situação a passos curtos, porém contínuos, aumentando o tamanho do Estado e expandindo seu poder e seu alcance ano após ano até ele finalmente se fazer presente em absolutamente todos os aspectos da nossa vida e de nossas atividades diárias.

Em várias economias atuais, já se chegou a um ponto em que é impossível viver fora do escopo do Estado. Aonde quer que vamos, temos de lidar com barreiras policiais; burocratas estão por todos os lados impondo leis, criando regulamentações, demandando documentos, proibindo-nos de fazer o que queremos fazer e obrigando-nos a fazer o que não queremos fazer.

A história a seguir ocorreu nos EUA, mas histórias similares podem perfeitamente estar ocorrendo rotineiramente ao redor do mundo.

Trata-se da triste e trágica história de Andrew Wordes, um criador de galinhas que foi levado ao completo desespero em decorrência dos seguidos assédios do governo e acabou se suicidando no mês passado. Seu martírio continua me apavorando. Andrew foi apenas mais um entre milhões de casos de tormentos psicológicos similares causados pelo governo, direta e indiretamente. São eventos completamente evitáveis, os quais infligem terríveis sofrimentos e perdas ao mundo.

Ele era como qualquer um de nós: apenas mais um ser humano vivendo sob o despotismo de nossa era. Ele conseguiu resistir aos assédios do Estado enquanto teve os nervos para tal. Porém, em vez de finalmente aquiescer e obedecer, ele decidiu que uma vida que não mais lhe pertencia não valia a pena ser vivida.

É uma história dramática e profundamente triste, e que serve de alerta sobre um pouquíssimo falado custo de se viver em uma sociedade gerida pelo Estado: a desmoralização que nos acomete quando não mais estamos no controle de nossas vidas.

Todo o suplício de Andrew começou há apenas alguns anos, quando ele começou a criar galinhas em seu quintal. Sua propriedade era de um acre, mas era rodeada de bosques descampados. Ele adorava suas aves, vendia ou até mesmo distribuía de graça seus ovos e gostava de mostrar às crianças seus bichos. Ele era também muito bom nesse seu trabalho e, sendo uma pessoa independente, escolheu fazer dessa atividade que amava a sua profissão.

O município, no entanto, começou a contestar essa sua atividade e começou a assediá-lo. Em 2008, o departamento de zoneamento da prefeitura emitiu uma advertência com relação às galinhas em sua propriedade, dizendo que todo o empreendimento deveria ser revisto. Isso foi estranho, pois ele não estava violando absolutamente nenhum regulamento ou lei municipal. Ao contrário, o código municipal especificamente aprovava a criação de galinhas em propriedades com menos de dois acres. Até mesmo o prefeito, à época, chegou a questionar a postura do departamento. Mas os burocratas foram em frente mesmo assim. Um ano depois, contando com a ajuda do ex-governador do seu estado (Geórgia), Andrew venceu a causa nos tribunais.

Mas aí aconteceu o esperado: a câmara municipal simplesmente reescreveu a lei, abolindo todas as isenções. Os burocratas proibiram mais do que seis galinhas por terreno, e especificaram que todas as galinhas deveriam permanecer dentro de um recinto permanentemente cercado. Andrew tentou então conseguir uma licença para colocar barreiras cercando sua propriedade, mas como sua casa estava em uma planície aluvial, terreno sujeito a inundações, o município não liberou a aprovação. Em meio a toda essa controvérsia, houve uma enchente que inundou seu terreno e invadiu sua casa, e ele teve de usar até mesmo uma escavadeira para retirar toda a lama do terreno e, assim, salvar sua propriedade e suas galinhas.

Como era de se esperar, a câmara municipal prontamente emitiu duas intimações judiciais: uma por mover terra sem permissão e a outra pela criação ilegal de galinhas não confinadas. Em seguida, o município se recusou a enviar à Fema (Agência Federal de Gerenciamento de Emergências) o pedido de Andrew por fundos de emergência para a reconstrução de sua propriedade após a tempestade (indivíduos sozinhos não conseguem receber esse tipo de dinheiro; é preciso um pedido formal do município). Não satisfeitos, os burocratas entraram em contato com a senhora que havia financiado a hipoteca de Andrew – que era amiga dele e credora de sua hipoteca havia 16 anos – e a pressionaram a vender a hipoteca para não ter problemas jurídicos.

Você está tendo a impressão de que Andrew estava sendo deliberadamente perseguido? E estava mesmo. E ele sabia disso. Na estrada, a polícia do município (Roswell) repetidamente o mandava encostar o carro para lhe aplicar multas. Isso foi feito inúmeras vezes e pelos motivos mais triviais possíveis, o que servia apenas para lhe gerar ainda mais transtornos. Os carros da polícia ficavam de prontidão em frente à sua casa apenas para segui-lo quando ele saísse de carro. E quando ele não conseguia pagar todas as multas aplicadas (ele já estava praticamente falido após tudo isso), os burocratas simplesmente o fichavam e o jogavam na cadeia. Isso ocorreu várias vezes. Como se não bastasse toda essa provação, a câmara municipal seguiu emitindo várias outras intimações.

Mas a coisa ficou ainda pior. Os planejadores urbanos inventaram um tal “Plano Roswell 2030”, que estipulava que haveria um parque exatamente onde estava sua casa. Ao saber disso, Andrew se ofereceu para vender seu imóvel para a prefeitura, mas a oferta foi recusada. Os burocratas claramente queriam forçá-lo a sair dali por meio desse bombardeio jurídico. Não importa que Andrew tenha vencido todas as disputas jurídicas ou tenha conseguido fazer com que todas as intimações não prosperassem – isso serviu apenas para deixar os burocratas ainda mais furiosos. Com o tempo, os burocratas conseguiram uma sentença de condicional, obrigando Andrew a comparecer regularmente à Polícia para prestar esclarecimentos. Essa foi a medida que viria a destruir seu meio de vida.

Certo dia, ele escreveu em sua página do Facebook que iria a um evento político. Enquanto estava fora de casa, suas galinhas foram envenenadas. Também envenenaram todos os seus filhotes de peru, dez dos quais eram na realidade do prefeito, que era seu amigo. Com isso, Andrew agora havia perdido todo o seu meio de sustento. Em pânico, sem saber o que fazer, ele se esqueceu de fazer sua visita de rotina à polícia para a checagem da sua condicional. Como consequência dessa “violação”, foi determinado que ele passasse o resto do período da sua condicional na cadeia, por 99 dias.

Enquanto estava na cadeia, sua casa foi invadida e saqueada. Obviamente, a polícia nada fez. Com efeito, é bem possível que ela tenha aprovado tal ato. Também enquanto estava na cadeia, seu novo credor hipotecário decidiu executar sua hipoteca. Toda a vida de Andrew estava agora destroçada.

O episódio final ocorreu no dia 26 de março deste ano. A polícia foi à sua casa para executar o despejo final. Andrew se trancou dentro da casa e ali permaneceu por várias horas, até que, repentinamente, ele surgiu na porta e, gritando, falou para as autoridades se afastarem de sua casa. Em seguida, ele acendeu um fósforo e a gasolina que ele havia espalhado por toda a casa se encarregou de criar uma gigantesca explosão. O corpo de Andrew ficou totalmente queimado, tornando impossível reconhecê-lo.

Talvez você esteja pensando que Andrew fosse algum desajustado que, por algum motivo, não conseguia levar uma vida normal junto à vizinhança. Ledo engano. Seus vizinhos relataram que ele era o melhor vizinho que alguém poderia ter. Em seu enterro, várias pessoas deram seu testemunho sobre como ele era prestativo, sobre como ele sempre estava disposto a ajudar quando solicitado, sobre como ele consertava as coisas para as pessoas, sobre como ele distribuía ovos pela vizinhança e sobre como ele era incrivelmente generoso para com todos ao seu redor. Escutei uma entrevista dele e o considerei extremamente bem articulado e inteligente.

Confesso que, quando ouvi essa entrevista, lágrimas brotaram dos meus olhos. Esse homem representava o coração e a alma de tudo aquilo que fez dos EUA uma grande nação. O Estado o perseguiu e o acossou, essencialmente porque alguns burocratas haviam criado um projeto que, para ser implantado, necessitava da exclusão de sua casa. Os burocratas foram adiante com seu plano. Andrew se tornou um inimigo do Estado. Desmoralizado, fatigado, deprimido e abatido, ele finalmente descobriu que não havia mais saída. Decidiu pôr um fim à sua vida.

Observe, também, algo que nos leva a uma conclusão tenebrosa: Andrew era amigo e tinha o apoio de altos membros da classe política, dentre eles o atual prefeito e um ex-governador. Atente para o que isto significa: não é a classe política quem comanda as coisas. Como já escrevi inúmeras vezes, políticos vêm e vão. A classe política é apenas o verniz do Estado; é apenas sua face pública. Ela não é o Estado propriamente dito. Quem de fato comanda o Estado, quem estipula as leis e as impinge é a permanente estrutura burocrática que comanda o Estado, estrutura essa formada por pessoas imunes a eleições. São estes, os burocratas e os reguladores, que compõem o verdadeiro aparato controlador do governo.

É difícil dizer que Andrew tenha tomado a decisão correta. Mas certamente foi uma atitude corajosa – pelo menos eu creio que foi. Trata-se de uma escolha moral difícil, sem dúvida. Quando o Estado vem para tomar tudo o que você construiu durante toda a sua vida e está determinado a arrancar seu coração e sua alma, reduzindo sua vida a nada mais do que um saco de ossos e músculos, não lhe concedendo o básico direito de fazer o que você ama – e você realmente não vê nenhuma saída para essa situação –, é possível dizer que você realmente tem uma vida? Andrew decidiu que não.

Cidadãos de qualquer país que tenha um Estado intervencionista enfrentam situações similares às que Andrew enfrentou. Eles podem ter o sonho de começar o próprio negócio ou de expandir o atual, mas estão obstruídos – não por alguma falta de visão ou de iniciativa, mas sim por causa do emaranhado de leis e regras erigido pela política pública. O Estado age como um destruidor de sonhos. E ele se torna ainda mais enlouquecedor quando se constata que não há absolutamente nada que o cidadão possa fazer para combatê-lo. Não há nenhuma alternativa.

As condições econômicas desencadeadas pelas políticas governamentais ao redor do mundo contribuíram para um aumento nas taxas de suicídios. A Europa está vivenciando uma epidemia de suicídios naqueles países que foram seriamente afetados pela recessão. Na Grécia, a taxa de suicídios entre os homens aumentou mais de 24% depois que o desastre começou. Na Irlanda, suicídios masculinos cresceram 16%. Na Itália, suicídios por motivações econômicas dispararam 52%.

Mas esses grandes agregados não transmitem o real nível da tragédia vivenciada por cada indivíduo. Eles deixam para trás famílias despedaçadas e comunidades destruídas. Há uma história insuportavelmente triste por trás de absolutamente cada estatística.

A diferença entre a crescente prosperidade gerada por um mercado livre e o desespero econômico gerado pelo governo é realmente uma questão de vida e morte. O governo espalha miséria, desespero e tristeza ao seu redor de maneira direta e indireta. Ser assediado, perseguido e acossado por burocratas e reguladores é uma maneira direta: a pessoa não vê saída para seu suplício, o que a leva a adotar medidas desesperadas. A maneira indireta resulta da estagnação econômica causada pelo governo: suas políticas que geram ciclos econômicos, durante os quais há um período de forte euforia o qual é inevitavelmente seguido por um período de depressiva recessão; suas políticas anticíclicas que não funcionam (que, aliás, só pioram as coisas); suas regulamentações que enlouquecem as pessoas; e seus impostos e sua inflação, que apenas perpetuam a pobreza.

Por que o Estado faz isso? Tudo se resume à sensação de ter controle sobre sua vida. A essência da política e da “arte de governar” é a total ausência de princípios e de liberdade de escolha, principalmente da liberdade de escolher não participar do sistema. E o Estado tenta ofuscar essas características – explícitas para qualquer observador atento – por meio de vários e complexos programas e políticas.

Porém, uma vez que você adquire a destreza para tais constatações, você se torna capaz de percebê-las em todos os lugares. O semblante das pessoas nas repartições públicas, as enormes filas para atendimento em hospitais públicos e até mesmo os olhares vazios que você vê nas filas dos correios. Há algo no Estado que nos desmoraliza e perverte. Há algo nele que afeta nossa saúde, nossa fisionomia e nossa perspectiva de vida, e que até mesmo leva a tragédias.

Ah, sim, eles vivem nos dizendo que, em um sistema democrático, podemos votar livremente e alterar as coisas. E que, se as coisas estão ruins, é porque foi nossa escolha. Logo, não temos do que reclamar. Se não estamos gostando, podemos mudar nas próximas eleições. Mas é óbvio que isso é um total e rematado escárnio. O governo controla completamente o sistema democrático e o administra de modo a gerar o tipo de resultado que ele quer. Como dizem, se eleições alterassem alguma coisa, o voto já teria sido proibido. Mas cada vez mais pessoas estão atentando para isso, o que explica por que a participação eleitoral vem caindo a cada eleição.

Os grandes pensadores da tradição libertária sempre nos ensinaram que a liberdade e a qualidade de vida são absolutamente indissociáveis. Thomas Jefferson, Frédéric Bastiat, Herbert Spencer, Albert Jay Nock, Ludwig von Mises, Murray Rothbard, F. A. Hayek e vários outros. Eles incansavelmente alertavam que cada passo em direção contrária à liberdade significa uma diminuição do nosso padrão de vida. Hoje, estamos vendo essas profecias se concretizando.

Muito frequentemente, os debates sobre políticas públicas se perdem em questões furtivas. O objetivo não deve ser o de fazer o “sistema” funcionar melhor, ou o de elevar a eficácia do governo, ou mesmo o de fazer um ajuste fino nas regras dentro da burocracia. O que é realmente necessário é que comecemos a falar sobre as questões mais prementes, como a dignidade da pessoa humana, o status moral da liberdade e os direitos e liberdades do indivíduo na sociedade. A expansão do Estado não é condenável apenas do ponto de vista da “política pública” ou da “eficiência administrativa”; é condenável simplesmente porque é perigosa para nosso padrão de vida, para nossa qualidade de vida, para nossa saúde e para nossa sanidade.

Matar a liberdade é matar a essência de tudo aquilo que nos torna humanos.

(Jeffrey Tucker é presidente da Laissez-Faire Books)

Nota [do blog Criacionismo]: Não creio que Tucker tenha real noção do que implicam suas palavras: “Hoje, estamos vendo essas profecias se concretizando.” O fato é que a profecia bíblica realmente prediz o fortalecimento de regimes autoritários que cada vez mais vão influenciar a vida das pessoas e os rumos das nações, limitando pouco a pouco as liberdades individuais. Some-se ao poder do Estado a aliança dele com uma igreja dominante e autoritária (conforme está predito) e você terá uma ideia dos dias turbulentos que nos aguardam num futuro não tão distante. Em parte, Andrew Wordes sofreu e morreu por causa de suas galinhas; outros tantos sofrerão e morrerão por causa de sua fé. Quem viver, verá.[MB]

Nota DD: Esta trágica história mostra claramente como ficamos indefesos quando o Estado decide tomar posições extremas aos que a ele se opõe. Aqui lemos de um homem simples, honesto e bondoso, que não aguentou a pressão indevida e tirou sua própria vida num momento de desespero. Um dia (não muito distante) homens de características semelhantes, sem aparência do mal, serão perseguidos e condenados por estes mesmos poderes (somando um poder religioso), no entanto, não ceifarão suas próprias vidas, mas terão suas vidas ceifadas.
 

Barack Obama: O presidente mais hostil à Bíblia que os EUA já tiveram

 
Lista mostra que revolta contra política de contracepção é apenas a ponta do iceberg de Obama.

Como se o mandato do governo de Obama de que os empregadores católicos — contra a doutrina da Igreja Católica — devam pagar as despesas de controle de natalidade de seus funcionários não fosse motivo para revolta suficiente para os cristãos dos EUA…

Agora David Barton, historiador de questões de fé e liberdade e do WallBuilders, elaborou uma lista de 50 ações anticristãs e antijudaicas documentadas que Obama tomou desde que assumiu a presidência, levando Barton a concluir que Barack Obama é na verdade “O presidente americano mais hostil à Bíblia que os EUA já tiveram”

“Quando observamos a falta de vontade do presidente Obama para se adaptar a quatro séculos de proteção de consciência religiosa através de suas tentativas de exigir que os católicos vão contra suas próprias doutrinas e crenças, somos tentados a dizer que ele é anticatólico”, Barton escreve. “Mas essa caracterização não seria correta. Embora tenha mirado recentemente os católicos, ele tem mirado de igual modo as tradicionais crenças protestantes”.

Barton sugere que sua lista — que inclui links para notícias da NBC, WND, do Los Angeles Times, do Christianity Today e dezenas de outras fontes — demonstra um padrão de “tratamento desrespeitoso e horroroso” para com qualquer pessoa que mantenha valores bíblicos.

“Talvez a descrição mais precisa dessa antipatia para com católicos, protestantes, judeus religiosos e a nação judaica seria caracterizá-la como ‘antibíblica’”, Barton escreve. “E então quando essa hostilidade para com pessoas que têm fé bíblica é contrastada com o seu tratamento preferencial para com os muçulmanos e nações muçulmanas, isso reforça ainda mais a precisão da descrição dele como um homem contrário à Bíblia. Na verdade, tem havido inúmeras vezes, que foram documentadas, que suas posições pró-islamismo foram a causa de suas ações contra a Bíblia”.

Entre as 50 ações tomadas incluem-se as seguintes:

* Maio de 2009 — Obama não permitiu que o culto do Dia Nacional de Oração (um dia estabelecido por lei federal) ocorresse na Casa Branca.

* 19 de Outubro de 2010 — Obama deliberadamente começa a omitir a frase sobre “o Criador” quando cita a Declaração de Independência — uma omissão que ele cometeu em pelo menos sete ocasiões.

* Abril de 2011 — Pela primeira vez na história americana, Obama pede aprovação de uma lei antidiscriminação que não contém proteções de contratação para grupos religiosos, forçando as organizações religiosas a contratarem de acordo com mandatos federais sem levarem em conta os mandamentos de sua própria religião, eliminando assim a proteção de consciência na contratação.

* Janeiro de 2011 — Depois que uma lei federal foi aprovada permitindo a transferência do Memorial da Segunda Guerra Mundial no Deserto de Mojave para uma propriedade privada, a Suprema Corte dos EUA decidiu que a cruz no memorial poderia continuar em pé, mas o governo de Obama se recusou a permitir a transferência da terra como mandava a lei e se recusou a permitir que a cruz fosse reerguida conforme havia sido ordenado pela Suprema Corte.

* Junho de 2011 — O Departamento de Assuntos Veteranos proíbe referências a Deus e Jesus durante as cerimônias de enterro no Cemitério Nacional de Houston.

* Setembro de 2011 — As Forças Armadas divulgam normas para o Centro Médico Walter Reed estipulando que “Não são permitidos a entrega ou uso de nenhum item religioso (por exemplo, Bíblias, materiais de leitura e / ou fatos) durante uma visita”.

* Fevereiro de 2012 — As Forças Aéreas removem “Deus” do emblema do Gabinete de Capacitação Rápida (a palavra sobre o emblema em latim era: Dei).

* Fevereiro de 2011 — Obama orienta o Ministério de Justiça a parar de defender a Lei de Defesa do Casamento, que é uma lei federal.

* Maio de 2009 — Embora Obama não permita nenhum evento do Dia Nacional de Oração na Casa Branca, ele permite jantares Iftar na Casa Branca em honra ao Ramadã.

 
* 2010 — Embora cada governo americano tradicionalmente divulgue centenas de proclamações oficiais e declarações em numerosas ocasiões, o governo americano sob Obama evita feriados e eventos bíblicos tradicionais, mas regularmente reconhece os principais feriados muçulmanos, conforme ficou comprovado por suas declarações de 2010 no Ramadã, Eid-ul-Fitr, Hajj, e Eid-ul-Adha.

“Muitas dessas ações são literalmente sem precedentes — essa é a primeira vez que elas aconteceram em quatro séculos de história americana”, Barton conclui seguindo a lista completa. “A hostilidade do presidente Obama para com a fé e valores bíblicos é sem igual em todos os presidentes americanos anteriores”.

Nota DD: Até que ponto chegará a hostilidade dos EUA?

Fonte: WND via Esperança Manaus

 
 

Goldman Sachs: "santificarás as festas"

 
Goldman Sachs, uma das incontestáveis deidades do suspeito Olimpo global dos bancos de investimento, acaba de proibir o trabalho no domingo de seus trabalhadores alemães. "De agora em diante, qualquer trabalho realizado durante o fim de semana deverá ser aprovado expressamente pelos diretores e somente será permitido em situações de extrema necessidade", explica o presidente da empresa, Alexander Dibelius, em uma entrevista publicada em "Frankfurter Allgemeine".

A meta da empresa é manter algum atrativo como empregador, numa altura em que o mercado se movimenta para atrair talentos. 

"Temos que competir por talentos e escritórios abertos no domingo desencorajam o pessoal qualificado que desejamos contratar e que terminam na competição", explica Dibelius, que diante do zelo dos funcionários alemães se viu forçado a lembrar que "não somos máquinas". 

Além deste terceiro mandamento, Goldman Sachs se apressa em esculpir em pedra um quarto que, aparentemente, ninguém tinha pensado em estampá-la nas tábuas da lei do banco de investimento e que está a dizer: "Honre seus investidores e os investidoras." 
...
Fonte - El Mundo

Nota DDP: Alguém ainda tem dúvida que o discurso religioso se entrelaça com os demais campos do cotidiano humano, tal como a economia e, especialmente a política? O caminho da aceitação do domingo ao que parece está sendo implementado a passos largos...

ET: Os destaques constam da notícia original.
 

Lei Dominical - A Nova Ordem Mundial de Apocalipse 13

 
"Antes, gostaria de dizer aos meus amigos protestantes, católicos, espíritas e demais pessoas, independente de sua religião ou credo: Saibam que eu os amo em Cristo Jesus" - O Autor

 

"...e lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta. A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome." Apocalipse 13:15-17

"Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz: Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca." na fronte ou sobre a mão, também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome."

"Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." Apocalipse 14:9-12

¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤

Para reflexão:

"Fiés Atalaias" x "Cães Mudos"

“A crise aproxima-se rapidamente. Quase é vindo o tempo da visitação de Deus. Conquanto Lhe repugne castigar, não obstante castigará, e rapidamente. Aqueles que andam na luz verão sinais do perigo que se aproxima; mas não deverão sentar-se em silenciosa e despreocupada expectativa de ruína, conformando-se com a crença de que Deus abrigará Seu povo no dia da visitação. Longe disto, deverão compreender que é seu dever trabalhar diligentemente para salvar outros, esperando, com grande fé, auxílio da parte de Deus. "A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos." Tiago 5:16.”

"O fermento da piedade não perdeu inteiramente seu poder. Na ocasião em que o perigo e a crise da igreja crescem, o grupo que permanece na luz estará suspirando e clamando por causa das abominações cometidas na Terra. Mais especialmente, porém, suas orações subirão em favor da igreja porque seus membros estão agindo segundo a maneira do mundo.”

"As fervorosas orações destes poucos fiéis, não serão em vão. Quando vier o Senhor para exercer vingança, virá também como protetor de todos os que conservaram pureza de fé, e se guardaram incontaminados do mundo. É nesta ocasião que Deus prometeu vingar Seus escolhidos, que a Ele clamam de dia e de noite. ...”

"Ao tempo em que Sua ira se manifestar em juízos, esses humildes e devotados seguidores de Cristo se distinguirão do resto do mundo pela angústia de sua alma, a qual se exprime em lamentos e pranto, reprovações e advertências. Ao passo que outros procuram lançar uma capa sobre o mal existente, e desculpam a grande impiedade reinante em toda parte, os que têm zelo pela honra de Deus e amor pelas almas, não se calarão a fim de granjear o favor de ninguém. Sua alma justa aflige-se dia a dia pelas obras e costumes profanos dos ímpios. São impotentes para deter a impetuosa torrente da iniqüidade, e assim se enchem de dor e sobressalto. Lamentam diante de Deus o verem a religião desprezada nos próprios lares daqueles que receberam grande luz. Lamentam-se e afligem sua alma porque se encontram na igreja orgulho, avareza, egoísmo e engano quase de toda espécie. O Espírito de Deus, que impulsiona a aceitar a reprovação, é espezinhado, ao passo que os servos de Satanás triunfam. Deus é desonrado, a verdade tornada de nenhum efeito.”

"A classe que não se entristece por seu próprio declínio espiritual, nem chora sobre os pecados dos outros, será deixada sem o selo de Deus. O Senhor comissiona Seus mensageiros, os homens que têm armas destruidoras nas mãos: "Passai pela cidade após ele, e feri; não poupe o vosso olho, nem vos compadeçais. Matai velhos, jovens, e virgens, e meninos, e mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo Meu santuário. E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa." Ezeq. 9:5 e 6.”

"Vemos aí que a igreja - o santuário do Senhor - foi a primeira a sentir o golpe da ira de Deus. Os anciãos, aqueles a quem Deus dera grande luz, e que haviam ocupado o lugar de depositários dos interesses espirituais do povo, haviam traído o seu depósito. Colocaram-se no ponto de vista de que não precisamos esperar milagres e as assinaladas manifestações do poder de Deus, como nos dias da antiguidade. Os tempos mudaram. Estas palavras fortaleceram-lhes a incredulidade, e dizem: O Senhor não fará bem nem mal. É demasiado misericordioso para visitar Seu povo em juízos. Assim, paz e segurança é o grito de homens que nunca mais erguerão a voz como trombeta para mostrar ao povo de Deus suas transgressões, e à casa de Jacó os seus pecados. Esses CÃES MUDOS, que não querem ladrar, são aqueles que sentirão a justa vingança de um Deus ofendido. Homens, virgens e crianças, todos perecerão juntos.” Testemunhos Seletos - Volume 2, págs. 64-69

"Como FIÉS ATALAIAS, deveis dar o aviso ao ver que vem a espada, para que homens e mulheres, pela ignorância, não sigam um rumo que evitariam se conhecessem a verdade." Review and Herald Extra, 24 de dezembro de 1889. Eventos FInais, pág. 127

"A mais terrível ameaça que já foi dirigida aos mortais, acha-se contida na mensagem do terceiro anjo. Deverá ser um terrível pecado que acarretará a ira de Deus, sem mistura de misericórdia. Os homens não devem ser deixados em trevas quanto a este importante assunto; a advertência contra tal pecado deve ser dada ao mundo antes da visitação dos juízos de Deus, a fim de que todos possam saber por que esses juízos são infligidos, e tenham oportunidade de escapar." O Grande Conflito, pág. 449 e 450

 
"Clama em alta voz, não te detenhas, levanta a voz como a trombeta e anuncia ao Meu povo a sua transgressão." Isaías 58:1